Classificação

7.5
Interpretação
6
Argumento
7.5
Realização
7
Banda Sonora

[Pode conter spoilers]

Aqui está Go o episódio piloto de Away, série que pode agradar aos fãs do espaço, astronautas e tudo o que rodeia esse mundo. Desde que li sobre a estreia que fiquei com curiosidade, mas principalmente por estar Hilary Swank no papel principal. Os filmes Boys Don’t Cry e Million Dollar Baby, já nos anos longínquos de 1999 e 2004, destacam a qualidade da atriz e apesar de alguns papéis em filmes que ficaram longe do sucesso, esta série mostrou que Hilary não perdeu qualidades. Os críticos dividem-se sobre Away, mas há um ponto em que, praticamente, todos concordam: é Hilary Swank que, em vários momentos, salva a série.

O primeiro episódio de Away, intitulado de Go, retrata a partida de uma missão que vai colocar, pela primeira vez, um grupo de astronautas em Marte, sendo que várias nações mundiais são representadas. Dos escolhidos além de Emma Green, a comandante da missão interpretada por Swank, também destaco Misha, personagem de Mark Ivanir. Este é um rosto que não vai passar despercebido a quem segue Homeland. Além dos representantes dos Estados Unidos e Rússia também temos um botânico do Reino Unido, uma química oriunda da China e um engenheiro da Índia. Desta equipa de cinco basta o primeiro episódio para se ganhar empatia por alguns e detestar outros. Vou deixar-vos escolher. De qualquer forma todos têm consciência que a missão, que vai durar três anos, é muito complicada e só há metade de hipóteses de sobrevivência. Vamos conhecer também a família de Emma Green e porque é que sempre que alguém vai para o espaço têm de existir problemas na família? Existe, por vezes, um drama exagerado em algumas cenas que acaba por ter duas caras.

O criador de Away é Andrew Hinderaker e pelo que estive a investigar ainda tem poucos trabalhos realizados e será uma das razões para alguns erros que se podem corrigir até porque a série tem potencial se não cair no erro do melodrama. O casting não está perfeito, mas não seria razão para me afastar da série. Conta com uma boa fotografia e bons efeitos faltando, como referi atrás, decidir que tipo de série quer ser verdadeiramente.

A série é inspirada num artigo da Esquire com o mesmo nome e escrito por Chris Jones. Away está disponível na Netflix e conta com dez episódios, sendo que uma renovação dependerá sempre do que acontecer agora: aterragem bem sucedida ou ficará em órbita até ser esquecida?

Bruno Pereira