Classificação

7
Interpretação
6
Argumento
5
Realização
8
Banda Sonora

[Pode conter spoilers]

Depois de uma última tentativa de fertilização in vitro, Nikki (Esther Smith) e Jason (Rafe Spall) descobrem que a probabilidade de conseguirem engravidar é baixa e muito cara. Quando percebem que não é uma possibilidade viável, decidem tentar adotar.

Trying é o tipo de comédia britânica que remete vagamente para a vibe de 500 Days of Summer. É quirky, naturalista, e explora os altos e baixos das personagens de uma forma suave e agridoce que nos faz apreciar a banalidade do dia a dia. Em 2009 teria sido brilhante, agora…

A verdade é que depois de vermos o potencial da comédia britânica explorado de forma brilhante em séries ao estilo de FleabagTrying deixa de ser novidade. É uma comédia sem o brilho de produções como After Life, e que fica aquém do potencial cómico deste tipo de séries. Parece que todo o tema é abordado de uma forma superficial, estética, como se a série fosse na realidade um videoclip querido e artístico da banda sonora. Banda sonora esta que, já agora, é a grande estrela de Trying para quem, como eu, gosta da alegria genuína e vagamente melancólica da música tocada em ukulele. Aliás, quem não foi sequer capaz de ler esta última frase sem deixar transparecer qualquer tipo de manifestação de desdém ou emoções semelhantes tem a minha benção para parar de ler agora. Não vos faço perder mais tempo. Esta não é para vocês. No hard feelings. No entanto, se não desistiram até agora, passemos às boas notícias.

A primeira já deixei clara, mas merece repetição. A banda sonora é adorável e melhora todos os aspetos desta série. Para além disso, contamos também com a qualidade da interpretação britânica que, sejamos honestos, é quase sempre superior ao que somos induzidos a esperar de qualquer série (ou filme). A realização deixa um pouco a desejar, porque de facto já está um pouco batida e não ajuda o facto de o argumento não ser brilhante. No entanto, Smith e Spall conseguem ainda assim trazer uma vida e uma humanidade a estas personagens que não podemos deixar de sentir que os conhecemos. A viagem emocional deste casal desperta uma empatia genuína e não podemos deixar de torcer por eles. Ironicamente, Trying é uma série que vale pelo esforço e que apesar das suas falhas, garante não ser uma desilusão.

Raquel David