Classificação

7
Interpretação
8
Argumento
8
Realização
8
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Reckoning é um thriller produzido pela Sony Pictures para o AXN que conta uma história mórbida e sombria mascarada de uma aparente narrativa típica. A minissérie estreou em outubro do ano passado no país de origem, a Austrália, tendo já chegado ao fim. Por terras lusitanas, o primeiro episódio chegou no passado dia 25, pela mão do AXN Portugal, com episódios emitidos semanalmente, às quartas-feiras, às 22h57.

Não sabia absolutamente nada sobre a série quando puxei para trás na minha box e cliquei no play, logo as expectativas também eram nulas. O começo agradou-me, especialmente pela banda sonora – Hozier; transmitiu-me uma sensação de que esta não seria mais uma típica série que podemos ver nos canais portugueses por cabo dedicados à ficção. Ainda assim, quando um dos planos se focou num distintivo da polícia pensei logo “Por favor que não seja mais um policial”. E não é, pelo menos não na sua íntegra.

Confesso que já há algum tempo que não decidia acompanhar pela televisão uma série. Especialmente quando posso facilmente ver os restantes nove episódios na internet, mas este piloto de Reckoning fez um bom trabalho em deixar no ar a quantidade certa de suspense e de intriga que me levam a conseguir esperar mais umas quantas semanas para saber o desfecho desta história. Claro que não conseguir aguentar e ter de ir ver os episódios seguintes é sempre uma melhor sensação quando se termina o início de uma série, mas diria que neste caso querer ver na televisão também é bom sinal.

À primeira vista, o piloto apresenta uma história quase a roçar no banal. Um thriller criminal, com mortes à mistura, figuras paternais que não são o melhor exemplo, adolescentes que escondem segredos… Enfim, características que já todos vimos aqui ou ali. Contudo, à medida que os minutos vão passando, percebemos que há alguns pormenores que tornam esta série em algo mais do que somente as vidas de um polícia local, de um professor do liceu e das respetivas famílias.

O elenco parece-me bem escolhido, especialmente Sam Trammell que já conhecia de True Blood. De resto, e não sendo esta uma produção que andará nas bocas do mundo, os outros atores são menos conhecidos, especialmente os mais jovens, sendo esta uma oportunidade para demonstrar o seu talento. Também a nível de cenários e fotografia gostei do que vi. As paisagens são lindas.

Em suma, Reckoning surpreendeu-me pela positiva. Apesar de conter alguns elementos cliché, o enredo que promete desenvolver faz-nos ignorar esses pormenores e focar-nos no plot principal, tentando perceber o que aconteceu e o que se seguirá. Já sabem, ainda vão a tempo de procurar na vossa box e ver este primeiro episódio. Acho que não se vão arrepender e assim já têm planos para as próximas noites de quarta.

Beatriz Caetano