Classificação

8
Interpretação
6
Argumento
7.5
Realização
7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

A Netflix continua a encantar com as suas apostas internacionais. Desta vez traz-nos Luna Nera, uma série italiana sobre bruxas e caçadores de bruxas num contexto de ficção histórica. Começamos por conhecer Ade, a neta de uma conhecida bruxa da cidade, que consegue sentir a morte de um feto mesmo antes de ele nascer. A sua avó acaba por ser acusada da morte da criança, é perseguida pelos caçadores de bruxas e odiada pela restante população. Ade tem agora de se sustentar a si e ao seu irmão mais novo, enquanto tenta salvar a avó.

Vou começar por declarar o meu amor por histórias sobre bruxas e feitiçaria! Não propriamente séries de fantasia sobre bruxas no mundo atual, mas séries mais históricas que retratam as mulheres que realmente eram acusadas de possuir magia e cometer todo o tipo de crimes. E esta série prometia tudo isto.

A melhor parte do episódio é, sem dúvida, a atmosfera. Os cenários medievais, as roupas e as paisagens italianas são todas complementadas pela tonalidade dada a toda a série – tons de cinzento e preto, que reforçam todo o dramatismo, horror e perigo daquela época e daquelas personagens. Conseguimos sentir que algo vai correr mal e que não é claramente uma série de teor ligeiro.

Já o enredo começou promissor, mas reparei em alguns indícios de problemas. Gostei da forma como o episódio preparou o conflito inicial da avó e da maneira como, de certa forma, passa o testemunho de personagem principal para Abe. Apesar de ter sido um pouco rápido na introdução das personagens, colocou logo a ação em primeiro plano. Agora, estava finalmente pronta para ter Abe como heroína girl power que consegue salvar a avó e ajudar o irmão sozinha, quando surge Pietro. Claramente Pietro vai ser o seu interesse amoroso, com uma cena extremamente cliché da primeira vez que se veem. Ah, e depois Pietro ainda a salva de um grupo de pessoas, porque os escritores devem ter pensado que não foram claros o suficiente a demonstrar que eles vão ser um casal. Enfim. Odeio quando as séries forçam um relacionamento demasiado cedo ou, pior ainda, pensam que todas as personagens precisam de ter um relacionamento para serem uma personagem interessante.

Pietro, à parte de servir de interesse amoroso, faz parte de um grupo de intelectuais que acredita na ciência e odeia tudo o que tenha a ver com magia. Esta parte da ciência versus a magia é um elemento que me interessou bastante. Bem explorado, podia trazer à série temas interessantes e aproveitar esta ligação entre a fantasia e os temas históricos. Infelizmente, pareceu-me que se vai ficar por elementos mais cliché. O final do episódio é entusiasmante, pois parece que Abe e o seu irmão vão ser levados para este novo espaço, com possibilidade de novas aventuras e desafios.

Para resumir, acho que Luna Nera não é de todo uma má aposta, trazendo uma premissa original e uma atmosfera envolvente. Tenho pena que se deixe perder por clichés, trazendo mais do mesmo ao mundo das séries. Espero que o resto da temporada se foque em Abe, no seu irmão e neste mundo da magia, em vez de perder tempo com romances desnecessários.

Ana Oliveira