Classificação

8
Interpretação
6.5
Argumento
9
Realização
8.5
Banda Sonora

The New Pope é uma minissérie de drama constituída por nove episódios, criada e realizada por Paolo Sorrentino, que apesar de apresentar um nome diferente, dá continuação à série exibida em 2016 designada The Young Pope, centrada na história de Lenny Belardo (interpretado pelo talentoso Jude Law), um homem de 47 anos, que não só é o primeiro americano a tornar-se Papa (de nome Pius XIII), mas também o mais novo.

Para aqueles que estavam a pensar ver The New Pope, sem antes ver The Young Pope, não digo que não vão perceber a história na mesma, visto que neste episódio, fora dar a entender o que está a acontecer com Pius XIII, poucas são as referências relativas a acontecimentos da história inicial. No entanto, aconselho vivamente a assistirem primeiro a The Young Pope não só porque através desta ficam a conhecer muito melhor a maior parte das personagens que integram The New Pope, mas também pelo facto de esta poder tornar mais fácil a adaptação à estranheza característica da série, que dá-me a entender que se vai manter nesta continuação (penso que os primeiros 10 minutos mostraram bem isso).

Apesar de ser uma opinião relativa ao episódio piloto de The New Pope, sinto que inevitavelmente tenho de abordar primeiro The Young Pope – daí eu aconselhar o visionamento desta a fim de ser mais fácil de entender o porquê). The Young Pope fez-me sentir um misto de emoções, quer positivas, quer negativas. A parte cinematográfica é simplesmente esplêndida que ao estar aliada a uma excelente trilha sonora, fez-me adorar bastante a série, contudo muitas vezes senti que não conseguia entender bem qual a direção que a história queria seguir. Talvez isso também se deva ao facto de Pius XIII ser uma personagem bastante complexa, envolta em convicções morais e pessoais, muitas vezes contraditórias, que aliadas à sua posição tirana e egocêntrica não facilitam em nada a conexão com este. Ainda assim, eu fiquei totalmente fascinada com a atuação de Jude Law, dado que eu só o conhecia de Fantastic Beasts: The Crimes of Grindewald, e penso que aí não deu para notar tanto o talento dele.

No entanto, apesar desse misto de emoções, e mesmo tendo acabado The Young Pope recentemente, durante o primeiro episódio de The New Pope, dei por mim a sorrir ao ver o sorriso característico de Pius XIII, a divertir-me imenso com o personagem Cardial Angelo Voiello (Silvio Orlando), pelo qual eu tenho um apreço enorme, e que parece que ainda não aprendeu a lição e a fascinar-me cada vez mais com a cinematografia e até mesmo com a estranheza da série. Isto leva-me a crer que quem viu a série há mais tempo, sentirá uma certa “nostalgia” durante a visualização do episódio ao rever os personagens, os cenários e o próprio ambiente característico da série.

Para além disso, mesmo o episódio tendo quase uma hora, parece que me soube a pouco e fez-me querer continuar a ver os seguintes, já para não falar, e espero não me enganar, que me levou a crer que vou gostar mais da história que vai ser desenvolvida durante esta temporada. Assim sendo, penso que vale a pena dar não só oportunidade a The New Pope, mas também à sua antecessora, The Young Pope, nem que seja pela cinematografia, pela interpretação de Jude Law, a personagem de Angelo Voiello, ou até mesmo só para ouvir um pouco de italiano, visto que alguns diálogos são falados nesta língua.

Cármen Silva