Classificação

8.5
Interpretação
7.5
Argumento
8
Realização
8
Banda Sonora

Wu-Tang: uma saga americana, da Hulu, baseada em factos reais, leva os espectadores para um mundo de drogas, guerras típicas de bairro e hip-hop, sem muitas explicações ou apresentações, existindo uma clara semelhança com séries como Top Boy e The Wire.

Situada entre os bairros de Staten Island, Park Hill (também conhecido como Killer Hill) e Stapleton, a nova e ousada série, que estreou recentemente os seus três primeiros episódios no serviço de streaming, segue um grupo de artistas de Nova York, no início da década de 90, que divididos entre carreiras na música e vidas de crime acabam, eventualmente, por se tornar a mais improvável das histórias de sucesso americanas e formar um dos grupos mais influentes de todos os tempos: Wu-Tang Clan.

Neste primeiro episódio, o enredo é bastante envolvente, tendo uma boa alternância entre cenas de droga/crime e música hip-hop, mas para quem não conhece a história tentar acompanhar as várias tramas, lembrar-se de todos eles, os seus nomes e a quem a sua lealdade pertence torna-se um pouco difícil de acompanhar. De realçar também que as batidas suaves de hip-hop e os ângulos interessantes da câmara foram bastante bem conseguidos e interligados dando uma maior experiência cinematográfica ao espectador.

Todo o elenco esteve bastante bem mas, para mim, Nova Iorque foi a estrela neste piloto, a série fez um trabalho sólido de capturar a vibração da cidade. Ela vive e respira aquele sabor do início dos anos 90, habitada de jovens negros de classes pobres e trabalhadoras possivelmente extraordinários, mas dificultados pelas circunstâncias. A vida é retratada realisticamente na série.

Cada membro de Wu-Tang era uma pessoa distinta, com os seus próprios sonhos, motivações e estilo, e este primeiro episódio mostra isso mesmo, com representações bastantes fortes (ex: Ashton Sanders de Moonlight), reforçando assim o quão impressionantes foram estes jovens se unirem e fazerem história no mundo do hip-hop. Portanto, para quem gosta deste grupo esta série é definitivamente um must watch, deixando o primeiro episódio uma empolgante perspetiva de músicas antigas do grupo poderem vir a ser exibidas nos próximos episódios ou mostrado o seu processo de criação, revelando factos (talvez) desconhecidos. Para quem não é fã desta banda mas gosta de ver o sonho americano tornado realidade esta série também deve entrar na sua lista!

Filipe Tavares