Classificação

7
Interpretação
6
Argumento
7
Realização
4
Banda Sonora

Tornou-se habitual eu quase tremer de medo com novos pilotos de comédia. As séries optam todas por fórmulas semelhantes: ou centradas em núcleos familiares ou passadas em contexto laboral. The Kids Are Alright é mais uma comédia familiar e o seu começo faz-me logo lembrar The Goldbergs, que eu adoro. No entanto, uma série evocar imediatamente outra não me deixa muito satisfeita. Esta nova aposta da ABC é passada nos anos ’70, com uma família católica e irlandesa no centro da trama, mas temos um miúdo sonhador a narrar a história da sua animada vida familiar, tal como Adam Goldberg tem vindo a fazer já há várias temporadas.

Ok, a partir daqui as semelhanças não são assim tantas e a década de 70 em termos de História é bem mais interessante, com a presidência de Nixon envolta em escândalos e a Guerra no Vietname, mas The Kids Are Alright acaba por não trazer propriamente nada de novo, apesar de também não se sair muito mal. A família é grande e os putos mais novinhos são engraçados e acabam por ser mesmo os elementos do elenco que se destacam de forma mais positiva e que mais prometem. Pensei que pudesse ser estranho ver o Abraham de The Walking Dead no papel de pai de oito filhos rapazes, mas até convenceu.

Confesso é que não me ri nenhuma vez e que achei a personagem da mãe, interpretada por Mary McCormack de In Plain Sight, um pouco desinteressante, bem como a maioria dos rapazes mais velhos. Penso que serão definitivamente os mais pequenitos a dar alguma piada à série que, apesar de não ser nada de especial, também não é má.

Se aproveitar a década interessante em que decorre para abordar temas importantes, The Kids Are Alright é capaz de se tornar uma aposta a ver, mas para já não me deixou propriamente curiosa. No entanto, também me recordo de não ter achado o piloto de The Goldbergs nada de especial, mas, poucos episódios depois, já estava eu a delirar a cada semana.

É seguro espreitar esta, não é má de todo!

Diana Sampaio