Classificação

8.2
Interpretação
7.1
Argumento
7.3
Realização
8.7
Banda Sonora

Contém SPOILERS!

Com direito a episódio duplo, já chegou a série mais esperada do mês de janeiro! The Shannara Chronicles retrata a adaptação em série da trilogia The Sword of Shannara e narra o futuro da raça humana que, após um cenário apocalítico, vê o aparecimento da magia e de raças míticas, como os elfos, os gnomos e monstros/demónios variados.

Como já mencionei, The Shannara Chronicles chegou não com um, mas com dois episódios, ambos com o mesmo título, Chosen. Os trailers que foram sendo revelados nos últimos meses aguçaram a curiosidade dos seguidores de séries de cariz mitológico/fantástico. No entanto, por se tratar de uma série do canal MTV, aguardei pacientemente e com as expectativas baixas, para não apanhar uma grande desilusão. E, como seria de esperar, não me enganei muito em relação ao desempenho geral da série… trata-se então de uma série boa, mas que ainda tem muito que penar para ser uma série de topo.

Um dos aspetos fortes da série é que não se passa num planeta diferente ou num mundo imaginado. Passa-se na Terra, milhares de anos depois de uma catástrofe que dizimou quase toda a população e toda a tecnologia. Temos então aqui uma pitada pós-apocalíptica, algo que, se bem explorado, trará um peso francamente positivo à nossa série. É interessante ver as personagens a passarem pelas ruínas das outrora cidades humanas e tentarem perceber para que serviriam aqueles vestígios antigos. Acaba por nos dar uma dimensão externa em relação à nossa visão do mundo, a nós que estamos tão condicionados pelo conforto que a tecnologia nos traz.

Tal como nós, os habitantes deste futuro dão grande importância à história, sobretudo o período em que os druidas pisavam a superfície da Terra e a magia era um dom que partilhavam com os restantes seres. Mas os druidas desapareceram e a magia não passa de uma leve memória dos anciãos. Sendo assim, os mais novos descredibilizam totalmente as crenças dos antigos, algo de que brevemente se arrependerão.

As Quatro Terras conhecem a paz há muito tempo. As guerras terminaram e a prosperidade dos elfos é visível na cidade de Arborlon. No centro da cidade existe uma árvore milenar, o Ellcrys, que se crê ser o talismã que sela os demónios que outrora tentaram destruir o mundo. Crença que não é levada a sério pelos jovens, mas que mesmo assim participam na difícil prova para serem um dos sete escolhidos para tratarem da árvore, pelo prestígio social que a tarefa confere.

É na corrida para a conquista de um dos sete lugares que ficamos a saber que Amberle, a neta do rei Eventine, é a primeira mulher a participar, o que gera bastante incómodo, mas depressa percebemos que foi o próprio Ellcrys que a escolheu. A árvore sagrada está doente e, pelo desenrolar do episódio, deu para entender que Amberle terá um papel importante na vitória do bem sobre o mal.

Ficamos também a conhecer um meio-elfo, Will, que após a morte da mãe decide dirigir-se a Storlock para estudar artes curativas, pois acredita que a poderia ter salvo. Porém, o seu destino já havia sido traçado pela sua linhagem élfica, pois o seu pai deixou-lhe pedras mágicas antes de morrer. É na viagem que Will quase morre às mãos de um troll, a sua sorte, ou azar, é que Eretria está por perto e salva-o. Mas a jovem não é bem o que conta e acaba por drogar Will e roubar-lhe as pedras élficas. E quem o acorda? Allanon, o último druida, que acordou do seu longo sono, e passou por Arborlon, onde confirma que o Ellcrys está a morrer.

Com a queda das folhas do Ellcrys, os demónios começam a libertar-se do Forbidding, a prisão que os deteve! Dagda Mor, o rei dos demónios, é o primeiro a libertar-se e jura matar os escolhidos. A parte mais curiosa é que, quando se liberta, recita a mesma oração que Allanon, o que comprova que outrora foi um druida.

Com a magia de volta às Quatro Terras, e com seis Escolhidos mortos por um dos demónios de Dagda Mor, resta a Allanon, Will e Amberle salvarem o mundo da ocupação demoníaca. Cheira-me que Eretria, de algum modo, terá também um papel preponderante nesta missão. Os demónios chegaram e Will, Allanon e Amberle estão perante o ataque de um deles!

A série, ao basear-se em livros vocacionados para o público juvenil, segue uma linha muito própria e orientada para esta faixa etária. Sendo assim, as paixonetas, os amores não correspondidos e os embaraços marcaram presença desde os primeiros minutos. O enredo, apesar de promissor, apresenta algumas falhas, algo que, na minha opinião, se deve ao facto de estarmos ainda no piloto. Os cenários estão fantásticos e a mistura de elementos da antiga civilização humana trazem uma dimensão até agora desconhecida do grande público.

Irei continuar a acompanhar a série, pois acredito que, se bem desenvolvida, irá marcar a história do canal MTV.

Rui André Pereira