Classificação

7
Interpretação
6.6
Argumento
7.4
Realização
7.1
Banda Sonora

Contém spoilers!

Já lá vão muitos anos desde que, na minha adolescência, era uma grande fã de Jennifer Lopez. Já a vi interpretar anteriormente uma polícia, dar pancada… Não é uma atriz brilhante, nunca o foi, mas também não está mal. Bem, melhor que Ellen Pompeo é de certeza e ela é protagonista de uma série de sucesso há doze temporadas, por isso nunca pior. E não consigo deixar de reparar em como ela está fantástica para a idade. Esta mulher não envelhece, pois não?

Lopez é Harlee Santos, uma polícia de Nova Iorque que tem dificuldade em afastar-se de problemas. Cinco minutos de episódio bastam para concluir que é corrupta e que alguma coisa vai correr incrivelmente mal. O colega novato dispara (e mata) um tipo que estavam a investigar, depois de confundir o som de um jogo de consola com o de tiros reais. Então Harlee tenta encenar o que aconteceu, de modo a salvar a pele de Loman. Não há dúvida de que Harlee sabe controlar uma situação, mas não honra o uniforme (eu sei que ela não usa um, mas entendem o que quero dizer!) que veste. Isso pouco importa a algumas pessoas e, tal como ela, toda a sua equipa parece sofrer do mesmo mal de corrupção, incluindo o seu chefe e grande amigo, Matt Wozniak. Eles são como família, mas provavelmente não por muito tempo.

Quando o FBI descobre os podres da equipa de Wozniak, decide ‘espremer’ Harlee com a intenção de a usar para denunciar os colegas, com a promessa de imunidade para ela. Com uma filha adolescente com quem se preocupar, ela não tem como recusar. Os polícias gostam de justificar as suas más ações como sendo por um bem maior, mas isso não os torna menos criminosos do que aqueles que querem prender. Os meios justificam os fins, mas a que custo? Harlee vai destruir aqueles que a protegem e confiam nela para se safar, mas será capaz de lidar com isso depois? Como é que ela vai conseguir esconder de Wozniak que é ela a rat da sua equipa? Quem prejudicará para que as atenções não se virem para ela? É escusado fingirmos que, mais cedo ou mais tarde, Wozniak não vai descobrir a verdade e este homem não é o tipo de pessoa que aceita uma traição com leveza.

Apesar de não ser um estupendo exercício de televisão, este episódio piloto é bastante satisfatório. Tendo em conta o que a NBC fez com o pilot de The Mysteries of Laura, estava com medo que este fosse também um desastre de verdadeiro amadorismo, mas não. O episódio vê-se bem, Lopez é carismática, ainda sabe dar pancada e é sempre um prazer ver Drea de Matteo no ecrã.

Diana Sampaio