Classificação

7.6
Interpretação
6.2
Argumento
6.8
Realização
7.5
Banda Sonora

Os loucos anos 80! Quem liga o rádio num volume médio/alto na M80 e quem viu o recente filme Kung Fury (2015)… esta série é para ti!

Moonbeam City é a nova série cartoon de comédia da Comedy Central, criada por Scott Gairdner (conhecido pelo seu trabalho no talk-show Conan). Tendo como predecessor South Park e partilhando muitas semelhanças com Archer, a fasquia para esta série está muito elevada.

Começando com o elenco, este é muito impressionante. Como personagem principal temos o inadequado, tarado e acima de tudo sortudo, Dazzle Novak (Rob Lowe de Parks and Recreation), que se considera o polícia n.º 1 da cidade com o mesmo nome da série. Chrysalis Tate (Kate Mara do novo filme Fantastic Four e de House of Cards) é a nova parceira de Dazzle que, farta de servir apenas café, se junta a este para combater o crime, onde desde cedo se vê que é muito mais apta do que ele (principalmente a disparar armas).

O rival de Dazzle na polícia é Rad Cunningham (Will Forte de Last Man on Earth), como polícia n.º 2 de Moonbeam City. O principal objecivo dele é tentar estar sempre à frente de Dazzle, mas, por difícil que pareça, consegue ser ainda mais incapaz. Por fim, a supervisionar toda esta insanidade está a Capitã Pizzaz Miller (Elizabeth Banks de The Hunger Games).

Moonbeam City consegue replicar com sucesso o ar dos anos 80. Seja pelas roupas, as cores (néon), luzes, música e o design em geral. Também a banda sonora ganha pontos por se adequar à altura que a série retrata e foi composta pela banda de synthpop, Night Club. Quanto ao desenrolar da história, é semelhante a Miami Vice, e a arte e o estilo visual inspiram-se no trabalho de Patrick Nagel. Já a animação e os movimentos rígidos dos personagens irão sem dúvida fazer lembrar de Archer.

A história do piloto é bastante simples e o humor às vezes é demasiado fácil, no entanto não deixam de ser uns 20 minutos engraçados. Começamos com Dazzle a perseguir um “terrível” vilão que tinha acabado de assaltar e incendiar uma idosa. Dazzle facilmente podia ter resolvido este assunto, mas falhando todos os tiros (tal como qualquer respeitável Stormtropper) deixa o vilão escapar e este, com os 42 dólares que conseguiu da mala da idosa, torna-se o novo kingpin da cidade (melhor investidor do ano, de certeza).

Depois de um raspanete da capitã, Chrysalis junta-se a Dazzle para apanharem o kingpin, mas Dazzle rapidamente se distrai com uma rapariga bonita num shopping (estamos nos anos 80, os shoppings estão muito na moda, como também pudemos ver no sucesso musical “Let’s Go To The Mall”, de Robin Scherbatsky em How I Met Your Mother) e decide que o tempo dele é melhor aproveitado ao tornar-se manager desta promissora cantora.

“I hope you’re a panda, because you’re going to eat bamboo”

Moonbeam City parece que vai ser seguir um formato de caso-da-semana com Dazzle enfrentando diversificados vilões.

Muitos aspectos tornam esta série uma aposta promissora. Tem os ingredientes necessários para o sucesso e, com tempo para crescer e se estabelecer, pode ser uma série para ficar. Porém, é preciso um maior desenvolvimento dos personagens, de forma ao público se interessar com o que se passa com eles. Neste momento, Dazzle não é de todo alguém com quem possamos simpatizar, seguindo um modelo egocêntrico dos personagens típicos de Seth MacFarlane. Apesar de o objetivo final ser estabelecer com a cultura dos anos 80 o que a série Archer estabeleceu para o estilo de espiões, Moonbeam City tem que trabalhar também para destacar e criar o seu próprio estilo original.

Emanuel Candeias