Classificação

9
Interpretação
8.5
Argumento
10
Realização
9
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Ok, se até aqui as coisas em His Dark Materials ainda estavam a aquecer, Theft traz um tão desejado episódio excelente a todos os níveis.

Só a primeira cena já é digna de uma boa qualificação do episódio. Toda a cinematografia e estética começou em alta e prosseguiu assim durante todo o episódio. Senti uma especial imersão neste mundo, que apesar de ser sempre de alta qualidade, me pareceu especialmente bem trabalhado neste episódio. Eu disse na última review que só faltavam mais uns daemons para melhorar os episódios e foi isso mesmo que aconteceu em Theft. Obrigada, criadores e argumentistas!

O argumento não ficou atrás, trazendo novas complicações para Lyra e Will, bem como novas pistas sobre o que o futuro lhes reserva. Mas antes disso, é impossível não começar com o destaque do episódio: Mr. Lee Scoresby (Lin-Manuel Miranda) e Mrs. Coulter! A prestação de ambos foi magnífica (apesar de eu amar os atores adolescentes, a experiência destes dois contrasta bastante), pondo em cima da mesa uma série de revelações. Phew, não estava nada à espera do nível emocional dessa cena mas adorei o vislumbre do passado de ambos, que é capaz de explicar algumas reações do presente. E a forma como exploraram, de forma súbtil, os sentimentos das personagens a partir dos seus daemons foi genial.  A personagem de Marisa Coulter, principalmente, continua a fascinar-me e quero saber o mais possível sobre ela. No livro não é um tópico muito explorado mas parece que a série está a dar indícios de querer aproveitar esse caminho. Espero que sim!

O melhor deste episódio é também o facto de todas as narrativas individuais se estarem a convergir numa só. É possível agora ter uma ideia mais clara do objetivo final, de quem está a favor, quem está contra e quem ajudará ou perturbará na inevitável batalha final. No entanto, continuam a haver mistérios a ser revelados, como é o caso da Torre degli Angeli e da faca. Principalmente, há a dúvida acerca do interesse do Magisterium pela faca e tudo o que envolve a Cittàgazze, como por exemplo, como foram realmente formados os spectres. Ah, e também, a busca por Stanislaus Grumman! Com tanto por desvendar, a série tem conseguido manter-se interessante, revelando apenas o necessário para cativar o interesse a cada episódio.

Bem, sinto que agora esta temporada está realmente na linha e pronta para uma viagem estável até ao fim da temporada. E, com o fim deste episódio, o próximo promete muita ação.

O que estás a achar desta segunda temporada até agora?

Ana Oliveira