Classificação

7
Interpretação
7
Argumento
7.5
Realização
7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Blindspot regressa com dois episódios de rajada, antes de uma pausa até ao final. Esta semana tivemos direito a ver o episódio 9 e 10 e aguardamos pelo final, que estreia no dia 23 de julho. Não percebi esta ideia, podíamos ter esperado mais uma semana, mas talvez tenha sido uma decisão do canal e relacionado com a sua programação, mas não me queixo; ambos os episódios foram bons. Não ao nível do episódio passado, que se arrisca a ter sido o melhor da temporada, mas sem dúvida melhores que os sete anteriores.

Começando pelo episódio 9, a equipa foi apanhada e encontram-se todos em interrogatório. Em parte, foi bonito voltar a ver aquela faísca da antiga equipa. Quando Madeline tenta quebrar todos e nenhum deles, nem mesmo Rich confessa ou duvida que alguém tenha confessado. O episódio teve também um alegre regresso: Patterson encontra-se viva, afinal. Na review anterior tinha previsto que acreditava nessa possibilidade, mas tinha indicado que provavelmente só iríamos saber no episódio 10, mas afinal soubemos a meio deste episódio e ainda assistimos a vê-la disfarçada de homem para enganar o sistema de reconhecimento facial do FBI. Pouco credível que uma inteligência artificial se deixasse afetar apenas por uma barba falsa, quando há imensos outros indicadores e eles eram procurados pelo FBI em peso. Mas pormenores desses à parte, tivemos um bom episódio com reencontros emocionantes e com a equipa a conseguir virar o jogo contra Madeline. Terminou também o arco de redenção de uma das minhas personagens favoritas, o Weitz, quando podia fugir, faz o que nunca tinha feito na vida. Volta atrás para ajudar e salvar a equipa e à conta disso morre. Pelo menos fá-lo sabendo que no final se tornou quem queria ser.

O segundo episódio foi menos bom, na minha opinião, apostando em cenas de ação um pouco menos encadeadas para encher o tempo, porque Ivy ainda está a tentar recuperar as bombas de Zip, uma vez que Madeline se matou no episódio 9 para impedir que a equipa conseguisse retirar informações dela. Sabendo que tinha que haver um hacker a trabalhar com ela, mesmo que forçadamente, as atenções viram-se para Kathy até descobrirem quem era na realidade: Boston, mas contra a sua própria vontade. O melhor momento do episódio é quando Boston acha que vai morrer com uma bomba e se torna mais honesto e emotivo, duas características não comuns na sua personagem. O final é o final que se poderia esperar, ficamos sem saber o que vai acontecer a Jane: será que foi alvo de ZIP mais uma vez, num ato de sacríficio, para salvar Kurt? Ou será que, tal como Patterson, conseguiu escapar ilesa de alguma forma? Não sei, mas não deixava de ser poético se tudo acabasse da forma que começou. Com Jane sem memórias.

No fundo foram dois episódios competentes, que avançam a largos passos para o final da nossa história, e já tiveram um pouco mais o toque da Blindspot de antigamente, o que só reflete a minha opinião de que a escrita para esta temporada foi um pouco despegada e pouco trabalhada. Sabiam que ia acabar e sabiam como; até chegarem a esse ponto, tiveram que meter palha lá no meio, mas, por algum motivo, o formato de dez episódios de história está a arrebatar a olhos vistos a batalha contra o antigo estilo policial de 23, onde todos têm um caso diferente e há um fio condutor. Agora só nos resta ver como se desenrola o que se passou neste episódio, especialmente as consequências das ações de Jane. De qualquer forma, esperemos despedir-nos de Blindspot em grande, com um belíssimo episódio final.

O que acharam?

Raul Araújo