01x15 - Yes Man

01×15 – Yes Man

O episódio passado de Agents of SHIELD terminou com o aparecimento de uma nova personagem – a Lorelei! É ela que vemos aparecer logo inicialmente no episódio com a cena com que tínhamos acabado o episódio anterior.

O início do episódio em si começa com a Skye, que a vemos a melhorar dia-a-dia e a querer voltar a participar cada vez mais nas missões da Team SHIELD. Estou a adorar também a relação fofinha da “doctor” Simmons e da “patient” Skye. Estão cada vez mais a tornar-se amigas, o que é super giro, uma vez que eu acho que no fundo são pessoas moral e éticamente muito parecidas! Aparece Ward também para ver a Skye, que insiste com Ward que precisa de mais treino. Já agora, também estou a adorar a que o Ward esteja super preocupado com ela porque no fundo no fundo o meu coração quer a Skye e o Ward juntos!

O Coulson continua super perturbado com o que viu lá na GuestHouse e vai tentando perceber o que conseguir relativamente a isso: contacta um agente à procura de informações mas não consegue obter nada de relevante (pelo menos para já!). A título de curiosidade, apercebemo-nos de que o Coulson realmente acordou do controlo, uma vez que deixou de responder ‘it was magical’ cada vez que lhe perguntavam como tinha sido o Tahiti – digamos que essa era uma resposta automatizada que ele nem pensava mas que lhe tinha sido programada (pelo menos eu acredito que sim) e quando este agente lhe pergunta ‘How was Tahiti?’ as resposta dele foi mais humana: ‘It sucked’.

Claro está que cada episódio tem uma missão e como referi no inicio, a Lorelei desceu à Terra. Assim é que Ward, Simmons, Fitz e Skye – a muito custo e ‘pedinchice’ – ficam encarregues de dar seguimento à investigação de uns sinais detectados na Terra iguais aos emitidos quando Thor e Loki desceram à Terra na Batalha de NY. E qual não é o espanto – sim, o espanto, porque eu não leio spoilers – quando aparece a Lady Sif (oh meu deus adorei, este episódio merece mil pontos). Adorei os paralelismos inicias que fazem logo aos momentos da batalha de NY, onde a Lady Sif diz que Thor considerava o Coulson um verdadeiro amigo (isto porque o Thor acha que o Coulson está morto), e que é por isso que ela gostava de contar com a ajuda deles.

Enfim Lady Sif explica que veio à Terra em perseguição da Lorelei, uma Asgardiana que tem um poder de sedução e controlo sobre os homens e que usa esse poder para obter tudo o que quer e conquistar civilizações. O momento em que o Fitz reconhece a fraqueza dos homens e a May concorda com a Lady Sif que realmente o homem tem uma fraquez que a mulher não tem é engraçado, também. Explica também que a forma de parar a Lorelei é cortar-lhe o pio com uma gargantilha preparada para impedi-la de falar, e portanto de seduzir.

A diferença entre os dois mundos torna-se evidente: a Lady Sif queixa-se que a Terra está muito atrasada tecnológicamente, mas a Lorelei fica abismada com as motos e o dinheiro. Não se trata de um mundo mais ou menos avançado que o outro mas notóriamente diferentes.

Enfim, lá encontram a Lorelei e eis que no meio de uma luta espetacularmente incrível em que a Lady Sif comanda a sala toda e é a personagem mais fixe da série, o Ward é apanhado no feitiço da Lorelei – e a sério?! Este deve ter sido o momento mais estúpido do episódio, I mean… Depois de ter sido avisado, não se precavê relativamente ao poder da Lorelei para efeitos de guião. Ridículo. Ao menos tinham-no posto a ser apanhado desprevenido, de costas, sei lá. Agora assim? Só dá a parecer que o Ward é burro e de burro o Ward não tem nada!

Também não gostei do Fitz ter sido controlado pela Lorelei, lá depois dela andar pelos casinos de Las Vegas e no bem-bom com o Ward, quando retornam e tentam tomar o avião para sua posse. Tinha esperanças que o Coulson fosse apanhado mas que o Fitz se safasse, era muito mais interessante. Mas faz sentido, o Fitz reconheceu a sua fraqueza quando estavam a falar com a Lady Sif, era natural que se tornasse vítima dela.

O Coulson percebe que o Fitz também está enfeitiçado – isto porque mesmo debaixo de feitiço, ele continua a ser estupidamente honesto – quando ele diz que trancou a Lady Sif no ‘quarto’ para que ela não interferisse com o plano de Lorelei. Coulson entra no jogo, fazendo-se passar por enfeitiçado também para distraír o Fitz. E enfim, toda esta história acaba com a Lorelei a ter uma luta digna de Asgard com a Lady Sif (em que o ‘unrequited love’ da Lady Sif pelo Thor é mencionado!!!) e a Lady Sif acaba por conseguir pôr a gargantilha na Lorelei e aprisioná-la.

Alguns pormenores do episódio que não mencionei até aqui e queria deixar para última reflexão:

  • ADOREI a cena em que a Lorelei está a falar com a May e diz-lhe que o Ward gostava de alguém que não era ela. SKYE?!?! Por favor digam-me que sim! Adoro a May mas já deu para perceber que adoro a ideia do Ward e da Skye juntos!
  • O Coulson no fim do episódio segue o conselho de May (que percebemos no final ter intenções secundárias) e vai falar com a Skye relativamente à droga GH-325 e a toda a história por detrás disso. A relação entre eles também é super fofinha, não sei se não serão parentes! Tipo, ele ser tio dela ou assim… Era giro!
  • OH MEU DEUS O FINAL DO EPISÓDIO. Isto significa que a May é uma ‘handler’? Só está na equipa para vigiar o Coulson e os desenvolvimentos que ele possa vir a fazer relativamente ao projecto TAHITI? Ugh, raiva. Eu gosto da Melinda May mas espero que ela não seja totalmente uma double agent. Eu ía detestar isso.

All in all, apesar deste fim horroroso e escandaloso, adorei o episódio. Tirando o facto da situação do Ward se ter deixado levar pela Lorelei ter sido demasiado forçada, este foi um episódio que gostei muito e por isso merece uma cotação alta na minha opinião. Portanto…

Nota: 9/10.

Joana Pereira