Depois deste último episódio e ainda sem previsões para a estreia da oitava e última temporada, tenho a confessar que já fiquei mais longe de criar um grupo de apoio a fãs de Game of Thrones. Este último episódio deixou-me com uma pitada (GIGANTE) de quero mais e isso não irá acontecer tão cedo!

Antes de tudo, tenho de ser sincera, não foi das temporadas mais entusiasmantes que já tivemos! Lembro-me de em anos anteriores esperar mais ansiosamente pelos episódios ou talvez fosse por nenhuma das minhas personagens favoritas estar seguras (e eu querer certificar-me que elas continuam a respirar) e neste momento sentir alguma (pouca) estabilidade.

Agora vamos o que interessa!

Tivemos confirmação da mais famosa e discutida teoria de GoT: R+L=J! Podemos dizer que foi previsível? De certa forma… Quer dizer, eu ainda não via a série e já ouvia falar que o Jon Snow não era filho do Ned Stark, mas seu sobrinho. Claro que na altura soava tudo a disparate, mas agora parece ser um dos melhores plot twists de sempre, principalmente depois de termos descoberto que Rhaegar e Lyanna estavam verdadeiramente apaixonados e casaram (Go, Gilly! Go, Gilly!).

Segundo, só eu é que chorei a morte de Littlefinger? O homem era um grande (inserir palavrão aqui), mas também era sem dúvida alguma uma das melhores personagens da série! Ele podia fazer os grandes senhores pensar que trabalhava para eles, mas só trabalhava para si próprio e foi isso que o levou de dono de bordel a Senhor do Vale (e a matar Ned Stark, Lysa Aryn e causar a morte de Robb e Catelyn e mais uma centena de coisas de que Sansa o acusou). Littlefinger foi sem dúvida uma das mais fantásticas personagens desta série e a sua morte irá deixar um vazio impossível de preencher. Apesar de achar que o seu final foi sinónimo de justiça, não consigo deixar de achar que ele merecia mais uns episódios para subir a sua escada de caos.

Isto leva-me a Sansa Stark. Aquela que começou como uma das personagens mais exasperante de todas, acabou esta última temporada como uma das minhas favoritas. Temos de ser sinceros, ir de uma adolescente sonhadora e irritante a uma mulher forte e capaz de ir contra um dos homens mais poderosos de Westeros é uma evolução e incomoda-me que as pessoas ainda vejam Sansa como uma idiota. Durante esta temporada, a senhora de Winterfell fez-nos acreditar que estaria disposta a trair a família e a tomar o lugar de Jon a governar o Norte. O seu confronto com Arya levou-me sinceramente a acreditar que ela seria capaz de ir contra os irmãos para ter poder, mas no final surpreendeu-me ao confrontar Littlefinger para proteger os seus e destruir o verdadeiro culpado da Guerra que destruiu os Starks. Sansa faz-me lembrar uma fénix que renasceu das cinzas ainda mais poderosa e astuta.

Temos ainda de falar sobre outro dos momentos mais esperados de GoT: o romance de Jon e Daenerys. Primeiro de tudo, que importa se são tia e sobrinho? Jaime e Cersei são irmãos gémeos e já vão no quarto filho! Para mim esse é um dos mais pobres argumentos contra este casal, visto que na série existem outros bem piores! Alguém se lembra do encontro entre Yara e Theon? Ah, pois! Jon e Daenerys são dois adultos, solteiros, bonitos e que passaram por vários desafios para chegar onde estão. Parece-me perfeitamente normal a atração entre ambos! Aliás, É perfeitamente normal! Agora que existirão consequências com o envolvimento de ambos disso não restam dúvidas! Os senhores do Norte irão acusar Jon de dobrar o joelho a Daenerys para poder conquistá-la e todos sabemos que o Norte tem um grande problema com os Targaryen. Isto se o romance se tornar público, porque devido ao historial de ambos apenas Jon irá ter vontade de assumir o que quer que exista entre ambos. Daenerys sempre prezou a sua privacidade e ir contra isso poderá significar que o que sente pelo Rei no Norte é bastante mais forte do que se previa. E é claro que descobrirem a ligação familiar entre ambos irá prejudicar a relação dos dois, mas até que ponto? Só de saber o tempo que temos de esperar fico com arrepios!!

Algo que me deixou curiosa foi o olhar de Tyrion à porta do quarto da Mãe dos Dragões enquanto esta e Jon Snow cediam à atração. Óbvio que por esta altura já existem mil e uma teorias a circular online: Tyrion está apaixonado por Daenerys e sabe que não será correspondido, Tyrion tem medo das consequências da relação entre os dois ou (e esta é a minha favorita) Tyrion prometeu a Cersei que o seu filho seria o herdeiro de Daenerys depois de esta subir ao trono. Não me surpreenderia com isto. Apesar de a relação entre os irmãos nunca ter sido a melhor, Tyrion sempre teve um ponto fraco pelos seus sobrinhos e já não é a primeira vez que ele menciona à sua rainha o problema de sucessão. Será que o mais novo dos Lannister fez uma promessa que poderá provocar a ira da Rainha? Oh, teorias não irão faltar durante os próximos anos e mal posso esperar para ver qual delas a mais alucinante!

Bónus: Vamos falar do quão épico foi Theon no último episódio? O Greyjoy já nos habituou a atitudes do outros mundo que temos de lutar para acompanhar! Primeiro traiu Robb (mau!), depois acabou como brinquedo de Ramsay (merecido!), entretanto salvou Sansa (bom!), mas fugiu para junto da irmã só para acabar um foragido e se juntar a Daenerys (corajoso?), o que culminou na captura de Yara e mais um dos seus momentos de cobardice (mau, muito mau!) e, por fim, teve o tão temido encontro com Jon. Mas nada me podia preparar para a maneira como agiu: ir conversar com Jon sobre os seus erros (o Rei no Norte perdoou-o; todos ouviram, certo?) e a decisão de enfrentar o tio e salvar a irmã foram algo de que não estava à espera. Acreditava sinceramente que Theon fosse refugiar-se sob a alçada de Daenerys e esperar o desenrolar dos acontecimentos, mas aquela cena de luta e a maneira como a venceu conquistaram-me definitivamente. Podem dizer coisas desprezíveis de Theon, mas Alfie Allen só merece ovações pela sua performance.

Com as gravações da última temporada a começar em outubro e previstas para terminar em junho, já existem poucas esperanças para que as nossas perguntas sejam respondidas no próximo ano. Até 2019 só nos resta esperar. Agora a sério, alguém alinha num grupo de terapia para nos ajudar a aguentar a expectativa?

Beatriz Pinto