A Netflix encomendou From Scratch, uma série que tem como protagonista e produtora executiva Zoe Saldana e é baseada no livro de memórias de Tembi Locke. A Hello Sunshine de Reese Witherspoon também participará na produção, assim como a 3 Arts Entertainment.

From Scratch, publicado a 30 de abril pela Simon & Schuster, foi a escolha de maio do Reese’s Book Club – Hello Sunshine, no qual Witherspoon, todos os meses, faz uma sugestão de leitura.

From Scratch é um romance autobiográfico que segue uma americana a estudar em Itália, quando ela se apaixona por um homem da Sicília. Os dois constroem uma vida nos Estados Unidos, mas ele morre inesperadamente de uma doença de que sofria e ela é desafiada a ultrapassar a dor para criar a filha da forma como os dois a teriam criado: com esperança, alegria e amor sem limites.

A irmã de Tembi será a showrunner da série e produtora executiva.

Noutra série da Netflix, Dash & Lily, foram divulgados cinco novos nomes que irão figurar no elenco: Glenn McCuen (Bucket and Skinner’s Epic Adventures), Michael Park (Stranger Things), Gideon Emery (Teen Wolf), Jennifer Ikeda (Tell Me a Story) e Diego Guevara (Strapped for Danger). Estes cinco atores irão ter papéis recorrentes na série de comédia romântica, da 21 Laps de Shawn Levy e da Image 32 de Nick Jonas, que irá estrear no próximo ano.

A série baseia-se na série literária de Rachel Cohn e David Levithan e acompanha o cínico Dash (Austin Abrams) e a otimista Lily (Midori Francis), que partilham sonhos e desejos no caderno que ambos trocam em vários locais de Nova Iorque, descobrindo que têm mais em comum do que imaginavam.

McCuen irá interpretar Edgar Thibaud, um rapaz popular da escola preparatória com uma educação privilegiada. Confiante, namoriscador e, por vezes, alheado, é um antigo bully que tenta melhorar quem é.

Park será Gordon, o pai de Dash, um homem que viaja pelo mundo, esquia, veleja e tenta sempre que o seu filho se sinta inferior.

Emery irá dar vida a Adam, pai de Lily. É administrador escolar e trabalha no duro para proteger os filhos da dura realidade do mundo dos adultos.

Ikeda terá o papel de Grace, mãe de Lily, uma académica no ramo da poesia que ensinou a filha a encontrar a beleza no dia a dia.

Guevara será Benny, o namorado do irmão de Lily, Langston (Troy Iwata). É um romântico compassivo que encoraja Lily a sair da sua zona de conforto.

Para terminar, Inventing Anna também recebeu novos nomes no elenco. Arian Moayed (Succession), Anders Holm (Workaholics), Anna Deavere Smith (For The People), Jeff Perry (Scandal) e Terry Kinney (Billions) juntam-se a esta série de dez episódios da Netflix, da criadora de Grey’s Anatomy, Shonda Rhimes. Juntam-se assim a Anna Chlumsky, Julia Garner, Katie Lowes, Laverne Cox e Alexis Floyd, anteriormente anunciados no elenco.

Inventing Anna centra-se numa jornalista, Vivian (Chlumsky), com muito a provar, que está a cargo da investigação no caso de Anna Delvey (Garner), a herdeira alemã que é uma lenda no Instagram e que roubou os corações do mundo social em Nova Iorque – e o dinheiro também. Mas é Anna a maior vigarista de Nova Iorque ou será apenas um retrato do sonho americano? Anna e a repórter formam uma ligação obscura, mas engraçada, de amor-ódio enquanto ela aguarda pelo julgamento e a jornalista luta contra o tempo para responder à maior pergunta que se coloca em Nova Iorque: quem é Anna Delvey?

Moayed irá interpretar Todd, advogado da Anna, que é um homem de família com muita lábia e com raízes na classe operária. Dada a natureza popular do caso e a sua necessidade de ganhar o respeito dos colegas, Todd precisa tanto de Anna como ela precisa dele.

Holm irá interpretar Jack. Solidário e com um sentido de humor cáustico, o marido de Vivian está em sintonia com a mulher de formas que fazem deles adoráveis, mesmo quando se enervam um ao outro. Jack começa a sentir cada vez mais dificuldades em estar em sintonia com Vivian à medida que esta se aproxima perigosamente de sucumbir à sua obsessão por Anna.

Smith irá ser Maud, que é a única mulher no topo da hierarquia no seu local de trabalho, mas agora foi posta de parte porque os idiotas que gerem a revista não estão lá há tempo suficiente para se lembrarem da jornalista brilhante que ela é. Maud é perspicaz, engraçada e, quase sempre, demasiado direta, mas a sua natureza solidária e honesta compensa este seu traço de personalidade.

Perry será Lou. Mais inteligente do que muitos, mais generoso do que a maioria, Lou é o rei não oficial do Scriberia, o grupo de escritores da revista considerados demasiado velhos para fazerem “trabalho a sério”, mas ao mesmo tempo demasiado estimados para serem despedidos. A vida pessoal de Lou é uma confusão, mas os seus prémios mantêm-no animado.

Kinney irá dar vida a Barry. Um correspondente de guerra sem nenhuma guerra para cobrir, Barry é um “scriberiano” por escolha própria. Preferia perder importância no seu trabalho a escrever sobre a cultura pop. Sarcástico, charmoso, com um sentido de humor negro e uma língua afiada, Barry não tem nenhum problema em dizer o que mais ninguém tem coragem