Classificação

5.5
Interpretação
6
Argumento
6
Realização
6.5
Banda Sonora

Depois da morte repentina da mulher, um pai assoberbado (William Baldwin) retorna à sua cidade natal na tentativa de reconstruir a sua vida e a relação com os seus três filhos adolescentes. 

Para quem se lembra de séries como Once And Again e Everwood, Northern Rescue tem uma qualidade familiar que rapidamente se entranha. O conceito não é exatamente novo, mas a série desperta o interesse.

A relação deste pai inapto mas bem intencionado com três miúdos muito diferentes e que processam a morte da mãe de formas muito díspares, assim como a intervenção da tia que os recebe em Turtle Island Bay, enquanto lida também com a morte da irmã, pode tornar-se muito comovente. Especialmente visto que parece haver algum mistério relativo à mãe do qual só Maddie, a filha mais velha, parece ter conhecimento, e que promete complicar a situação desta família em luto. 

No entanto, o piloto não revela muito mais e infelizmente peca pelo lado da performance. A banda sonora e os momentos de voice over tentam compensar a carga emocional que caberia aos actores transmitir, mas fica muito aquém do que poderia ser. 

Northern Rescue não tem, de facto, o impacto inicial a que a Netflix nos habituou, e torna-se difícil avaliar a série à parte de qualquer expectativa. Como drama, não é uma série muito bem conseguida. Confiar este tipo de narrativa a William Baldwin, que será um dos grandes protagonistas da série, não terá sido a melhor escolha. Seria necessário um actor mais sensível, mais capaz de nos comover, alguém que nos convencesse da veracidade desta família. 

Que é o que falta, na verdade. Alguém que nos convença da realidade destas circunstâncias, que dê peso à situação ao invés de banalizar aquilo que é talvez o pior que pode acontecer a qualquer família: a morte de uma mãe. Northern Rescue tem tudo para resultar e realmente é pena que não resulte desde o início. Com tanta série boa para ver, não sinto que valha o investimento.

 

Raquel David