O nome Lennie James não é daqueles que passe despercebido aos fãs mais acérrimos de televisão. O ator já conta com um currículo vasto e ganhou um carisma enorme com as séries Jericho e The Walking Dead. O Séries da TV teve o prazer de assistir à conferência de imprensa do ator e de fazer bastantes perguntas e ter ainda uma entrevista exclusiva.

Na conferência de imprensa, Lennie respondeu a imensas perguntas, sempre em tom descontraído e brincalhão. Nunca esperou o sucesso de The Walking Dead, salientando que a 1.ª temporada da série foi algo experimental e que o “passa a palavra” ajudou imenso a que se tornasse o sucesso que é nos dias de hoje. Foi confrontado com a questão que se foca na mudança de princípios da sua personagem Morgan, com base nas novas ameaças, à qual respondeu que tudo é possível a este ponto. Para Lennie, o facto de Morgan ter sido treinado para ter uma conduta pacífica por Eastman (personagem de John Carroll Lynch) nunca foi algo dado como adquirido, muito porque Eastman estava isolado numa cabana e Morgan acaba por sair desse meio pequeno e obviamente que os seus princípios poderão sofrer alterações, agora que se encontra no The Kingdom.

Perguntámos ao Lennie qual das duas personagens que interpretou, quer em Jericho, quer em The Walking Dead (para quem não sabe, ambas as séries se inserem num meio de sobrevivência pós-apocalíptica), qual delas estaria mais apta para sobreviver caso o mundo real estivesse em situações semelhantes. Ainda que apanhado de surpresa, Lennie diz que não sabe bem como responder à pergunta; dizendo que Robert Hawkins (a sua personagem em Jericho) não iria sobreviver num apocalipse de zombies, mas que Morgan talvez conseguisse durar um pouco mais no panorama apocalíptico de Jericho.

Em The Walking Dead, num episódio dedicado exclusivamente à personagem de Morgan, Lennie James contracena com uma cabra. Perguntei ao ator como foi trabalhar com animais vivos no set da série. Respondeu que tinha sido a primeira vez que trabalhou com uma cabra em particular e, entre uma piada aqui e acolá, que um dos aspetos mais importantes do seu trabalho é que surjam estas oportunidades invulgares. Deu ainda um exemplo de que a cabra que, na série, se chama Tabitha, tem o nome de Ruby na vida real e que deu à luz uma cria fêmea, à qual os seus donos apelidaram de Tabitha, em homenagem à série. (Como um apaixonado por animais, Lennie acabou de se tornar um dos meus seres humanos favoritos!) Lennie também fez questão de mencionar que os animais e as crianças em séries de televisão recebem cuidados extraordinários; caso não estejam com disposição para fazer uma cena em particular, a produção para. Tive também a oportunidade de questionar se já sabia andar a cavalo antes de entrar para a série ou se teve de aprender e o ator respondeu que teve de aprender com Tommy (que é o responsável pelos cuidados dos cavalos na série) e com Nicola (o seu novo amigo de quatro patas) e que ia regularmente ao seu rancho praticar hipismo.

Lennie partilhou também quais foram as experiências menos boas que teve no set de The Walking Dead. “Quando morrem as personagens, sem dúvida.”, respondeu. “Há imensas personagens que passaram pela série com quem nunca contracenei. Um destes casos foi Michael Cudlitz [ator que interpreta Abraham]. Ficámos amigos, mas nunca chegámos a ter uma cena de diálogos juntos.” O ator confessou que não gostou que a sua personagem tivesse uma quebra gigantesca na história, sendo que ficou isolado da produção durante uns anos até regressar. Terminou a questão ao dizer que “as pessoas não abandonam The Walking Dead. A nossa equipa, cerca de 70% ou 80%, que, por vários motivos, abandona o programa, reaparece para matar saudades.”

Uma pergunta chave foi: “como é que se readaptou a entrar no elenco de The Walking Dead depois de dois anos ausente?” Quando Lennie filmou o piloto da série ninguém tinha ainda uma noção de qual seria o sucesso da mesma e assim que regressou já a série mantinha o estatuto da “mais vista em toda a história da televisão por cabo”. O seu regresso foi mantido em segredo, sendo que não podia contracenar com os outros atores. Ficou isolado e a restante equipa que sabia deste regresso teve de assinar acordos de confidencialidade. Como ator precisou de encontrar um equilíbrio entre o Morgan da 1.ª temporada e o Morgan que encontramos na terceira, sem o seu filho. As transições da sua personagem foram desafios difíceis, mas que acabaram por ser experiências gratificantes.

Nunca leu os comics da série, mas contou uma peripécia relativa a isto: “Quando estamos no set perguntamos sempre ao Chandler [Riggs, ator que interpreta Carl], quem é este gajo? E ele responde: ah! Este é o tal com as rastas cinzentas e que tem um tigre! Ele é o nosso ajudante nesse aspeto. Nunca li as bandas desenhadas precisamente porque os produtores queriam que Morgan não fosse fiel às mesmas. Queriam que a sua jornada fosse algo de superior.”

Como é a sua relação com Melissa McBride? [Atriz que interpreta a personagem Carol]. “Ah, tu sabes… ela é irritante e não é boa atriz! (risos) É melhor dizer isto em tom sério não vá apontares isto. A Melissa é o centro da série. Ela é uma atriz fabulosa e é uma pessoa extremamente acessível. Fui abençoado por me terem permitido contracenar com ela numa escala bem maior. Se perguntares a alguém no set qual é o/a ator/ atriz com quem mais gostariam de ter uma cena toda a gente te responderia: Melissa.”

Para aliviar um pouco a sessão de perguntas, Lennie falou um pouco sobre momentos divertidos no set, em particular uma cena com Norman Reedus e Ross Marquand em que estão ambos a conversar em frente a uma grade repleta de walkers (aqui Lennie faz uma interpretação dele próprio de um walker e, portanto, a nossa admiração por ele disparou!) e um deles arrota (!) no meio de tantos grunhidos e acabámos por não aguentar o riso. Outra situação engraçada foi numa filmagem da 6.ª temporada, “onde um walker com uma maquilhagem mais grotesca do que o habitual me interpelou enquanto tinha ido buscar uma chávena de chá e, por norma não me assusto com eles, mas em plena escuridão e com muito fumo à volta, e de repente: BAH! Dei um salto e apanhei um valente susto!” (RISOS)

“Não queremos estar a chamar-lhe cleptomaníaco, mas já roubou alguns adereços de séries televisivas em que entrou?”

Lennie: “Uuuuuuh! Eu roubo roupas! Podem apontar, sem qualquer problema! Roupas e sapatos!”

Já mais para o final, perguntámos ao Lennie se, num confronto direto entre Morgan e Negan, quem ganhava? O bastão de Morgan ou a Lucille? Ao que o ator respondeu “o bastão de Morgan, claramente! Porque vou ser EU a usá-lo! Vou-lhe dar uma coça! O Negan ganhou sempre até agora, está na altura de alguém conseguir enfrentá-lo! Já sonhei com essa cena ainda que não saiba se ela algum dia irá acontecer. Não posso entrar em muitos detalhes sobre isso, mas posso dizer-vos, pelo menos, que The Walking Dead está a preparar-se para a guerra.”

E assim deu-se por terminada a conferência de imprensa. Mas quero deixar aqui um agradecimento ao ator que abriu o jogo connosco, não nos poupou a umas gargalhadas e a uma boa disposição fora do vulgar que se torna contagiante enquanto interagimos com ele.

Mas ainda há mais, leiam a nossa entrevista exclusiva com ele aqui [link].