A primeira edição da Comic Con Portugal  foi um sucesso! A atriz, que nasceu no Brasil e sabe falar português, tentou ao máximo responder conforme a lingua em que a pergunta era feita – obrigada pelo esforço, Morena!

Quanto ao que foi falado no painel, trazemo-vos aqui o que a atriz falou:

  • Morena não tem preferência pelo modo de actuar, seja cinema, teatro ou televisão gosta de fazer tudo; as suas séries favoritas no momento são Girls e Game of Thrones, onde a actriz não se importava nada de entrar – mas as personagens com quem gostaria de contracenar encontram-se maioritariamente, óbvio, mortas.
  • O seu filme favorito é Lawrence of Arabia;
  • O segundo fã disse-lhe que tinha gostado muito do gag reel de Firefly, e pediu à actriz para nos contar alguma história engraçada que se tenha passado. Ela respondeu que Nathan Fillion é a pessoa que mais gosta de pregar partidas aos outros, e que uma vez chegou a pôr vaselina num puxador de uma porta, e até uma batata num respirador de um carro;
  • A seguir, Morena foi questionada sobre a dificuldade de entrar na indústria, sendo uma actriz estrangeira, ao que ela respondeu que “para qualquer pessoa é difícil, e por não ser americana foi um pouco difícil mas, ao fazer audições e saberem que não tinha sotaque não foi difícil”;
  • Mais uma vez questionada sobre Firefly, um fã quis saber se Morena considerava Inara uma personagem forte, ao que ela respondeu que sim, era uma personagem boa, forte e vulnerável. Joss Whedon escreve muitos personagens assim para a TV, juntando-se à vontade de Morena de procurar papéis com tais características porque a inspiram mais do que os papéis “tipicos”. Joss é um mestre das personagens fortes, uma mulher boa e forte, com algo de diferente. Também perguntaram à actriz como tinha sido trabalhar com Adam Baldwin, a quem esta chamou de brincalhão, mas que havia um assunto proibido com ele: política. Adam é republicano, por isso ninguém conseguia falar com ele durante muito tempo sobre esse assunto. Já Nathan Fillion é considerado o mais brincalhão, assim como o cavalheiro do elenco, que trata todos como uma familia;
  • No que toca a Gotham, a actriz gravou 3 episódios como Dr. Leslie Thompson, que faz parte da mitologia original. A série não irá seguir a história dos comics, mas sim traçar o seu próprio caminho. Vai contracenar imenso com o Detective Jim Gordon, com quem irá ter um caso amoroso e eventualmente começar a trabalhar em conjunto, com momentos de sidekick. Outro fã quis ainda saber se Gotham se iria tornar uma série sobre o Batman, ao que a actriz respondeu que sim, que  estava curiosa para ver como a série mostra como Bruce Wayne se tornou Batman, assim como os personagens são no dia a dia, antes de serem superherois;
  • Sobre Homeland, a actriz acha que há possibilidade de a história da sua personagem ser encerrada futuramente, apesar de não saber se os escritores querem ou precisam não sabe confirmar se vão dar seguimento à sua personagem, porém gostaria que encerrassem a sua história mas não sabe se os escritores querem;
  • O próximo projecto da actriz é uma mini-série chamada Red Tent, inspirado num livro baseado na Bíblia – é um épico bíblico;
  • O fã a seguir quis saber como a actriz se sentiu ao saber que estava nomeada para um Emmy Morena explicou que estava a gozar os últimos dias de férias antes do filho nascer, mas que ficou muito contente, emocionada, grata e com sorte, que tinha sido um bom presente;
  • Ao ser questionada sobre a série que se divertiu mais a fazer, Morena respondeu o que todos nós sabemos: Firefly, pois foi a sua primeira série, e todas as pessoas com quem trabalhou são as suas favoritas,fez uma data de amigos para a vida. Mas, disse a actriz, também em Homeland, porque passou muito como actriz, e era uma história que acha muito importante especialmente agora, nesta época de guerra, de terrorismo, é uma história com que o povo americano, assim como o resto do mundo, se relaciona;
  • Em relação a ser a má da fita em V, Morena disse que o seu papel foi divertido, podendo ser mais arriscada do que se interpretasse um personal ‘normal’. O mesmo fã perguntou também qual era a personagem, das que já interpretou, com que se identifica mais, ao que Morena respondeu Jessica Brody, de Homeland, porque apesar de não ser sempre divertido interpretá-la, foi a que mais a realizou;
  • Uma fã quis saber se Morena se considerava uma geek, ao que a actriz respondeu que, durante o ensino secundário, era definitivamente uma geek, que cresceu a ver Star Wars e Dungeons and Dragons, mas que não se acha uma geek em relação à ficção cientifica, mas sim sobre cozinhar – adora cozinhar, conhecer novos sabores, novas receitas. “Everybody has a thing they geek out about”, disse a actriz;
  • A pessoa seguinte fez duas perguntas a Morena: qual a personagem que teve mais dificuldade em interpretar, e também que novos projectos em cinema a actriz tinha, ao que esta respondeu que em Homeland havia sempre um dia que não era fácil, e que o seu próximo projecto em cinema é uma comédia com agentes da CIA;
  • Uma fã perguntou à actriz se achava que os papeis que tem interpretado ao longo da vida eram muito diferente uns dos outros, ao que ela respondeu que sim, que o mais importante é fazer coisas que nunca fez antes, um personagem que não entende mas passa a entender com o estudo e preparação para o papel;
  • Ficamos também a saber que a actriz adoraria interpretar a Catwoman ou a Wonderwoman, porém como as personagens já foram bastante exploradas cinematográficamente, sabe que não irá ter sorte;
  • Por ter dito que via Dungeons and Dragons, perguntaram à actriz qual a sua personagem favorita do jogo, mas a actriz esclareceu que nunca jogou, apenas via os desenhos animados – e era o unicórnio;
  • Quando lhe perguntaram qual a audição mais difícil que teve, e a mais divertida, a actriz respondeu que todas são divertidas e difíceis, e que as suas favoritas são aquelas em que tem feedback instantâneo, onde tem alguém a contracenar com ela;
  • Walter Sallez e Ben Affleck foram as respostas que deu quando questionada sobre com que actores ou produtores gostaria de trabalhar, e a actriz esclareceu também que o que lhe interessa mais é o projecto em si;
  • Ao ser questionada sobre como se sentia quando as séries em que trabalha são canceladas, Morena explicou que é natural que não goste que isso aconteça, mas que as pessoas têm a ideia de que, como vêm a cara dela na TV, é ela que tem o poder de tomar essa decisão – quando, na verdade, os actores são apenas um pedaço pequeno da industria e que têm muitas pessoas a tomar decisões. V, por exemplo, foram 3 anos da sua vida, não teve qualquer tipo de poder sobre a decisão;
  •  Erica Flynn, de The Mentalist, irá voltar à série, num episódio passado em Beirut, onde a personagem irá escapar de problemas ao enganar todos;
  • O fã seguinte quis saber como a actriz reconstruiu a sua personagem em V, série que já tinha sido feita antes, e se Morena gostaria de fazer cinema na Europa, ao que a actriz respondeu que sim, que adoraria trabalhar com realizadores Europeus. Quanto a V, a actriz já tinha assistido ao original e achou as duas séries diferentes, por isso tentou fazer uma personagem mais destacada do que na série original, sendo no fundo uma criação dela;
  • Outro fã perguntou como a actriz se sentiu na sua primeira entrevista de sempre, respondendo Morena que obviamente estava nervosa, pois considera muito mais fácil interpretar um papel do que ser entrevistada – é outra pessoa, outro corpo;
  • Marrocos não é um dos seus países favoritos, a sua estadia foi difícil, no deserto durante 2 meses com o filho de 6 meses, na altura. Considera-o um país lindo, mas não gostou de lá estar;
  • A seguir, perguntaram a Morena se alguma das personagens que interpretou mudou a sua forma de ver a vida, e a actriz explicou que todas as personagens lhe dão a oportunidade de aprender alguma coisa;
  • Questionada sobre como é trabalhar com Joss Whedon, Morena disse que ele escreve roteiros maravilhosos, que quando se tenta mudar alguma coisa o escritor não permite pois tem tudo que ser exactamente como ele imagina – porém, Joss não é tirano, é doce e legal;
  • Morena explicou também que por vezes os actores comprometem-se com um papel na esperança de mudar o personagem, apesar de isso raramente acontecer, e que procura sempre papéis fortes, mas acontece ter apenas que trabalhar – apesar de tentar não se comprometer apenas por que sim, acontece;
  • As partes difíceis nunca param de vir, assim que um trabalho acaba há sempre um momento de pânico, mas Morena sabe que por vezes isso também é bom porque a permite passar mais tempo com quem gosta e esperar por um bom projecto;
  • A actriz tenta escolher os papéis que a deixam passar mais tempo com o filho, e esteve em Portugal 2 vezes anteriormente;
  • O seu primeiro papel foi num filme chamado Perfume, sobre moda, e uma das suas inspirações é a actriz Meryl Streep;
  • De novo relacionada com Firefly, uma fã quis saber como eram as roupas que Inara usava na série, e a actriz revelou que não eram confortáveis, mas que eram lindas, feitas à mão e que a mediram em todos os cantinhos possíveis para fazerem os vestidos à medida.

Com Firefly ainda vivo no coração dos fãs, assim acabou o painel de Morena Baccarin. Ficamos a conhecer mais um pouco da actriz, que seguiu para a sessão de autógrafos. E vocês, gostaram do painel de Morena? O Séries da TV espera que para o próximo ano a Comic Con Portugal traga tantos bons actores como este ano, foi fantástico!