Classificação

7.5
Interpretação
8
Argumento
8
Realização
7
Banda Sonora

Contém spoilers!

A semana passada provavelmente foi o último episódio que teve um caso isolado da história principal, porque desta vez a história foi toda sobre a perseguição a Neron/Ray. Tivemos três principais linhas de ação que culminaram num episódio bastante bom e consistente. Uma boa maneira de preparar o final desta temporada. Pessoalmente foi o episódio que mais gostei de Legends dos últimos tempos.

A primeira linha de ação é a de Sara e Mick, que ficam encalhados com o Waverider e começam a discutir sobre quem tem mais culpa pelo que aconteceu a Ray. Honestamente, esta discussão foi a parte mais fraca do episódio, mas percebo que funcionava para mostrar o quão preocupados estavam com Ray, de um modo que até Mick pudesse demonstrar sem dar parte sentimental, ou mostrar culpa de ter tomado a decisão de disparar. No final, o propósito de toda esta narrativa foi mostrar em como não irão desistir de Ray. Racionalmente não faz sentido pôr um homem à frente do futuro do planeta, mas no fundo era tudo o que queríamos ver.

A segunda linha foi a de Mona e Nora no Timeu Bureau, para o qual Gary voltou com um mamilo mágico (sim leram bem, vamos perdoar essa parte aos argumentistas uma vez que a temporada está perto do fim) para hipnotizar todos os agentes e garantir o controlo do Bureau para quando Neron voltar da sua quest com Constantine. Mona é a única que não se deixa enganar e utiliza as suas capacidades extraordinárias para resistir. Apesar desta parte ter o pior detalhe do episódio, foi uma oportunidade de crescimento para Mona, que tem vindo a ganhar algum destaque aos poucos. Gary, surpreendentemente, fica melhor como vilão do que como personagem secundária.

 Por fim, Neron leva Constantine ao passado onde este é confrontado com um antepassado seu que era totalmente contra as criaturas mágicas e matava-as mesmo que injustamente. Toda a história de Constantine a debater-se contra ele próprio e a resistir ajudar Neron foi boa. Mas o melhor foi o que aconteceu mesmo no fim, quando faz um ato de puro altruísmo para tentar ajudar Ray, na remota hipótese de ser bem sucedido.

Uma coisa que podiam evitar é aquela história de quando tentam fazer manobras como Waverider e Gideon lhes diz qual a probabilidade de serem bem sucedidos é sempre um num milhão ou outro valor astronómico e já sabemos que é a que vai acontecer. Não traz credibilidade nem emoção nenhumas. De resto foi um episódio muito bom. Mal posso esperar para ver os dois que faltam.

O que acharam?

Raul Araújo