Classificação

7
Interpretação
8
Argumento
7
Realização
8
Banda Sonora

[Contém Spoilers!]

Esta semana, Legends of Tomorrow chega-nos com um formato ligeiramente diferente. Em vez de uma única narrativa, temos duas: uma mais séria em que vemos Nate lidar com a morte do pai, e uma mais leve e muito típica de Legends, em que as nossas heroínas voltam atrás no tempo para salvar a obra de Jane Austen.

Depois da morte do pai de Nate, a equipa reúne-se para o funeral, mas são interrompidos. Primeiro por Nora, que contacta Ray para se defender quanto à morte de Hank, e logo de seguida pela notícia de um fugitivo que ameaça apagar a obra de Jane Austen da História. Rory e Constantine ficam com Nate para que Constantine possa monitorizar a atividade sobrenatural do funeral. Ray volta para a nave com Sarah e Zari sob o pretexto de as ajudar com o novo caso. No entanto, quando Sarah, Zari, Charlie e Mona seguem para o passado para investigar a anomalia, Ray fica para trás, no Waverider, com Nora.

Apesar de não descuidar a ação, este é um episódio mais pessoal. Graças à influência de um fugitivo com os poderes do deus Hindu do amor, os Legends veem-se forçados a explorar os impulsos amorosos que costumam conter. A relação de Ray e Nora dá um salto grande e desta vez é Zari que confessa os seus sentimentos por Nate. Mas não só, Nate reconcilia os seus sentimentos em relação ao pai, ao descobrir as suas verdadeiras intenções. A única coisa que não fica bem resolvida é a situação de Constantine, que está claramente ligado ao arco geral da temporada e cujo envolvimento nos é relembrado no fim do episódio sem, no entanto, acrescentar nada ao que já sabemos.

É de voltar a salientar que este episódio funciona em dois polos diferentes: o do funeral que lida com o enredo relativo à conspiração que envolve o Time Bureau e que levou à morte de Hank, e o da anomalia, que acaba por ser uma espécie de girls night out. Foi uma escolha que, sinceramente, tinha tudo para não resultar. Tipicamente, estabelece-se um “tom” para o episódio, mas neste caso saltamos entre um e outro quase como se estivéssemos a ver dois episódios ao mesmo tempo. O meu conselho? Deixem-se ir. Legends of Tomorrow é o tipo de série que ganha muito por não se levar demasiado a sério e por brincar tanto com a própria série como com o Arrowverse em geral. Portanto, quando nos deparamos com um número musical (muito em voga, mas ainda assim inesperado) ao estilo de Bollywood só temos duas escolhas: estranhar ou deixar que se entranhe. Pessoalmente, gostei deste pequeno wink ao espectador.

E vocês, que acharam do episódio?

Raquel David