Classificação

6.5
Interpretação
5
Argumento
6.5
Realização
5
Banda Sonora

[Pode conter spoilers]

Esta é a primeira série dos Emirados Árabes Unidos a ser lançada pela Netflix, que reforça assim a sua aposta em conteúdo dos mais variados locais do mundo. Confesso que nunca tinha visto nenhuma série numa língua que me fosse tão pouco familiar quanto o árabe. No entanto, temos aqui também uma enorme diferença cultural em relação à Europa, embora menos acentuada do que aquilo que esperava. Vários dos personagens – tanto homens como mulheres – usam roupas tipicamente ocidentais, as casas que pudemos ver são bastante modernas e a personagem principal é uma jovem que foi estudar para os Estados Unidos e está de volta ao país natal para exercer a profissão de advogada.

O ponto forte de Justice prende-se mesmo com a sua origem. Quando vemos uma série americana ou europeia a verdade é que estamos bastante familiarizados com a cultura, mesmo que possa ser diferente da nossa em alguns aspetos, mas este é quase outro mundo. Precisamente porque não estou muito a par da realidade deste país não sabia muito bem o que esperar e acho que fiquei surpreendida por ver que era menos conservador do que aquilo que imaginava. No entanto, sei que também já li acerca de acontecimentos reais de grandes violações de direitos humanos no país.

Neste primeiro episódio não ficamos com uma ideia de como é viver e trabalhar nos Emirados Árabes Unidos. Somos sobretudo apresentados a um núcleo de personagens formado pela família principal, que parece ter uma boa situação financeira, e outras ligadas ao caso a que a nossa protagonista se dedica. Aliás, o pai da personagem principal apoia as decisões da filha e dá-lhe a mesma liberdade que se espera que um pai português dê a uma filha adulta.

Em vários momentos, achei a interpretação de alguns dos membros do elenco pouco convincente e pouco natural, mas sei que isso se pode dever a este ser o meu primeiro contacto com uma série árabe. Tenho a noção de que em programas em português costumo ser bem mais crítica da qualidade da representação do que em séries americanas, por exemplo. Não sei se é a proximidade que nalguns casos prejudica e noutros beneficia. Houve algumas cenas em que o plano de filmagem me fez lembrar aquele que é usado em documentários, mas isto não é uma crítica negativa, é apenas algo que não estou habituada a ver em séries.

Confesso que não gostei muito do episódio. Ao início estava expectante e a gostar, mas o enredo não se desenvolveu de forma a captar a minha atenção. Além disso, parece-me que irá ser uma série de advogados que não se destaca muito de nada que já tenha sido feito, marcando mais a diferença pela cultura que nos apresenta do que pelo produto em si. É interessar conhecer novas realidades, mas a série precisava de um enredo mais envolvente.

Diana Sampaio