Classificação

6
Interpretação
8
Argumento
9
Realização
6
Banda Sonoro

A Netflix lançou este mês no seu serviço uma nova série, com produção turca, de nome Immortals. Pelo seu título já percebemos que se trata de uma série de vampiros, que, liderados pelo vampiro Dmitri, vão ser caçados pela também vampira Mia.

[Spoiler Alert!]

Fiquei mesmo entusiasmada com a premissa da série. Gosto de séries com a temática vampírica desde sempre e ultimamente não houve nenhuma série ligada a este mundo que me tenha entusiasmado verdadeiramente. Pois bem, Immortals não é necessariamente uma má produção sobre esse tema. A história de uma rapariga, Mia, que é transformada em vampira e luta contra os da sua espécie não é nova. Começamos a série no ano de 1800, onde encontramos Mia presa, juntamente com Numel, sendo que é rapidamente degolada por um guarda e quando está a dar os últimos suspiros é transformada em vampiro. Ou seja, Mia é uma vampira que luta contra os que são da sua espécie, mas não nos é revelado o motivo dessa sua vingança. Juntamente com a revelação de quem a transformou, se Dmitri, se Numel, a descoberta do verdadeiro motivo desta vingança parece-me ser a principal linha condutora da série.

Outra linha de história segue um grupo de humanos da parte pobre da cidade que sabem da existência de vampiros e os combatem. Percebemos mais tarde que eles vivem na parte da cidade que está aberta a que os vampiros se alimentem à vontade, já que Dmitri, que comanda a cidade, tem um acordo com o Presidente da Câmara em que se ajudam mutuamente. Falando de Dmitri, tenho de dizer o seguinte: a escolha do ator para interpretar o papel de vampiro-mor, com todo o carisma e poder que exige, foi errada. Kerem Bürsin não tem carisma nenhum, por isso as suas cenas acabam por perder um pouco o interesse. Dmitri anda à procura de uma adaga para atingir a imortalidade (sim, nesta série os vampiros não são imortais) e na cena em que conforta Numel sentimos que este último tem mais carisma e faz com que a sua personagem, apesar de pouco tempo em que podemos vê-lo, se destaca bem mais do que a do protagonista.

Ver uma produção turca foi uma novidade para mim. É bom começar a espreitar outras produção que não as americanas. Sobretudo se a ajudar tiver uma história bem interessante, juntar uma realização boa, uns efeitos especiais bem feitos e um ritmo de episódio que não nos leva a adormecer. Apesar de, na minha opinião, haver a falta de carisma do protagonista e o pouco desenvolvimento da série, Immortals deixa uma sensação morna. Quem gosta de vampiros, como eu, vai sentir vontade de acompanhar a série.

                                                                                                                                                                   Catarina Lameirinhas