Classificação

9.6
Interpretação
9.5
Argumento
9.8
Realização
9
Banda Sonora

[Pode conter spoilers]

You lost this round, boo.

Chegamos ao fim de uma fantástica temporada. Uma temporada que, tenho dito, se pode comparar à primeira pelo excelente enredo que proporcionou ao espectador, pelo suspense quase omnipresente e pelos plot twists sempre imprevisíveis. No entanto, esta minha opinião vai de encontro àquilo que aparentemente foram os ratings de audiências: uma descida acentuada que faz pairar a nuvem do cancelamento. Não compreendo de todo o porquê.

Please Say No One Else Is Dead foi a melhor season finale que podíamos pedir. A tensão nunca saiu de cena, as surpresas seguiram-se umas atrás das outras e as voltas e reviravoltas levaram-nos numa montanha-russa de emoções.

Os flashbacks foram um elemento essencial neste último capítulo para que pudéssemos perceber o que realmente aconteceu e qual a razão do envolvimento de Xavier Castillo neste história mirabolante. Devo dizer que estou super satisfeita com o resultado. No episódio passado não via qualquer explicação para o envolvimento do irmão de Laurel; agora faz todo o sentido, se bem que a justificação de que Jorge se quer vingar de Annalise é um bocado lame. No entanto, a forma como foi realizada colmatou esse lado menos bom.

Xavier à parte, parece que Miller sempre estava inocente e Nate e Bonnie são agora culpados de matar o homem que tentou salvar a vida do pai do ex-polícia e que queria casar com a mulher que amava. É verdade que Ron podia ter dito alguma coisa antes de levar o primeiro murro de Nate, mas este também podia e devia ter esperado antes de tirar conclusões precipitadas sobre uma foto. Fico contente por saber que Frank continua a salvaguardar a sanidade mental de Bonnie  (o que só reforça a minha crença de que Frank e Bonnie davam um bom casal – super tóxico, eu sei, mas muito cute), mas também podia ter usado uma máscara ou coisa parecida para ameaçar a agente.

Afinal de contas a Governadora estava metida nisto até à raiz dos cabelos, mas o seu objetivo era derrubar Emmett e não Annalise. O coitado do Emmett só queria concorrer a Procurador-Geral, nada mais, e acabou a asfixiar ou com um ataque cardíaco no chão do seu gabinete. Espero sinceramente que Teagan chegue a tempo de o salvar.

Outra coisa que adorei neste episódio foram aquelas pequenas cenas que uma pessoa julga não significarem nada e servirem apenas para encher, mas que depois se revelam importantes. Falo das intervenções de Gabriel e Michaela. Na verdade, se pensarmos bem, todo o envolvimento destes dois neste temporada culminou na última cena de Asher, Oliver e Connor. Poderão os dois estar relacionados de alguma forma, a nível familiar? Quem será este Dwight conhecido de Annalise e pai de Michaela? Também as cenas com Laurel deixavam adivinhar o final do episódio: creio que ela fugiu com Christopher. Não me parece que Xavier tenha tido alguma coisa a ver com o desaparecimento da irmã e do sobrinho.

Sem sombra de dúvida que esta temporada foi de uma excelência impressionante. Não entendo o porquê de as audiências terem descido e espero que isso não signifique um cancelamento injusto. Na minha perspetiva, as peças em jogo neste momento são suficientes para mais uma temporada que pode proporcionar um grande final a esta série maravilhosa. Todas as storylines ficaram “penduradas” nesta season finale e o momentum criado com o cliffhanger generalizado vai dar uma vantagem enorme à 6.ª temporada que espero se realize.

Beatriz Caetano