Classificação

7.5
Interpretação
7.2
Argumento
7.3
Realização
7.7
Banda Sonora

Atenção: esta review contém spoilers!

É no seguimento do regresso de Grey’s que nos chega Help, I’m Alive, o décimo episódio desta sua 15.ª temporada.

Neste novo episódio, Meredith e Link chocam em relação à maneira como Link aborda os seus pacientes; Maggie teme que Jackson e Richard não aceitem o diagnóstico de Catherine e DeLuca mostra o seu valor no bloco operatório quando Owen enfrenta um contratempo.

Comecemos, então, por uma das minhas partes favoritas do episódio: as cenas entre Catherine, Jackson, Richard, Maggie e Bailey. Apesar de sentir que foram poucas e que a série lhes devia ter dado mais ênfase, as cenas entre estas personagens foram as que mais captaram a minha atenção. Como mencionei anteriormente, agrada-me que Grey’s esteja a dar uso às suas muitas personagens ao invés de trazer novas para a mistura. Ainda que não me agrade a ideia de algo trágico acontecer a Catherine, qualquer storyline que aumente o ritmo e a tensão desta temporada de Grey’s é bem-vinda.

Acho que a interpretação destas personagens por parte dos atores foi excelente, especialmente o momento em que a nossa Dr.ª Fox deita abaixo as suas paredes e revela o seu lado mais “humano,” o lado de uma pessoa que não quer enfrentar a realidade que é ter cancro. Foram performances como esta (que, apesar de ser curta, foi bastante boa) que me fizeram gostar de Grey’s e conforta-me saber que, numa temporada que até agora tem sido completamente medíocre, ainda consiga encontrar cenas destas.

Se é verdade que este episódio teve cenas bastantes boas, também é verdade que o resto de Help, I’m Alive não foi nada de outro mundo. Agradou-me o facto de Schmitt ter tido o seu momento de glória, assim como DeLuca. Está na altura de os personagens mostrarem realmente o que valem e progredirem na história. Gostei, ainda, que Owen tenha chegado à conclusão que pode criar o seu filho com Teddy sem perder Amelia (vamos ver se isso realmente irá acontecer, tenho as minhas dúvidas!) e, por fim, acho que estava na altura de Jo regressar a Grey’s. Fiquei entusiasmada com a narrativa dela no início da temporada e parece-me que está na altura de voltar a explorar isso. Sobre o resto, não tenho muito a dizer que não tenha já sido dito.

Finalmente, tenho apenas a acrescentar que não há nada que possa dizer sobre a situação de Meredith para além de tudo o que tenho partilhado até agora. Continuo aborrecida com esta narrativa, percebo o porquê de Meredith estar indecisa entre Link e Andrew (cada um tem os seus fortes), tenho uma preferência por DeLuca e nada mais tenho a dizer sobre o assunto.

Inês Salvado