Classificação

7.9
Interpretação
7.6
Argumento
7.6
Realização
7.8
Banda Sonora

Atenção: esta review contém spoilers!

Esta semana, Grey’s Anatomy trouxe-nos “Anybody Have a Map?”, o sétimo episódio desta sua temporada. Neste episódio, Catherine encontra-se em Los Angeles para a inauguração da sua nova fundação e convida Meredith e Koracick para uma consulta extremamente confidencial. Entretanto, no hospital, uma das enfermeiras (que está grávida de vinte e oito semanas) colapsa enquanto fala com Richard.

Comecemos, então, por falar um pouco sobre Catherine. Como sabem (se já viram o episódio), esta semana descobrimos que a nossa Dr.ª Avery tem uma rara e agressiva forma de cancro que, ao que tudo indica, se irá demonstrar fatal na eventualidade de Meredith e Koracick não descobrirem uma cura. Apesar de achar pouco realista o facto de tudo e mais alguma coisa acontecer a estes médicos, agrada-me que Grey’s tenha decidido dar uso às personagens que já tem. Conhecendo a série, parece-me ser bem possível que Catherine não sobreviva para contar a história, mas espero estar errada.

Em seguida, tenho que falar sobre aquele que, na minha opinião, foi o grande personagem deste episódio. Estou, claramente, a falar de Richard Webber. Ao longo dos últimos episódios, Grey’s tem vindo a plantar a ideia de uma possível recaída na sobriedade de Webber. Este episódio não foi exceção; os eventos de Anybody Have a Map? levaram-me a acreditar verdadeiramente que Richard iria quebrar, de uma vez por todas, a sua sobriedade (e quem o poderia julgar?). Felizmente, o médico surpreendeu-me pela positiva e James Pickens Jr. deu-nos uma das minhas performances favoritas desta temporada de Grey’s, com a cena do bar. Veremos se Richard conseguirá lidar com a notícia de Catherine, ou se esta será a última gota de água.

Por fim, sinto-me na obrigação de falar um pouco sobre Jackson e Maggie. Na minha opinião, a discussão entre os dois foi demasiado dramática tendo em conta a situação. Apesar de perceber o ponto de vista de Maggie, acho que a sua reação foi muito exagerada e que as coisas podiam ter sido abordadas de outra maneira. Não me parece que Jackson tenha feito algo de tão mau para justificar a reação da nossa médica.

A verdade é que gostei muito mais deste episódio do que de alguns dos anteriores. Agrada-me que Grey’s se tenha focado em menos personagens e que, por isso, tenha criado histórias com pés e cabeça. Adorei a prestação dos atores, em especial as cenas com Richard. Pela primeira vez em algum tempo, pareceu-me que a série está a recuperar alguma da direção que tem vindo a faltar, nesta temporada. Espero que se mantenha neste rumo.

Inês Salvado