Ano novo, vida nova, dizem! Contudo nem sempre é assim, mas como pedir não custa, voltamos mais uma vez a fazer aquilo que é de graça: pedir desejos.

Até à data, temos tido sorte (ou pontaria) e muitos dos nossos desejos acabaram por se concretizar ao longo dos anos. Contudo, relativamente aos do ano passado, digamos que tocamos em muitos pontos-chave, mas infelizmente, muitos deles não se tornaram reais, como a melhoria em The Walking Dead ou os regressos bem sucedidos de 24 e Prison Break. Já outros conseguimos que se tornassem reais, como a segunda temporada de Stranger Things manter a qualidade, a renovação de 3%, novas e cativantes séries, ou até mesmo o número de estreias ter sido superior ao ano anterior.

Fiquem assim, com a lista dos desejos (muitos deles novos, outros nem tanto, mas que valem sempre a pena reforçar) da equipa do Séries da TV para 2018:

1. The Walking Dead precisa de melhorar consideravelmente ou então é preferível que cancelem a série! É que está a chegar a um ponto em que aborrece só de pensar que há um novo episódio para ver!

2. Que Mayans MC receba rapidamente luz verde para avançar. As saudades do universo de Sons of Anarchy são já muitas e a ansiedade por ver o spin-off é maior ainda.

3. Parem com a moda de lançar temporadas de dois em dois anos para fazer “render o peixe”. Jessica Jones teve a sua primeira temporada em 2015 e só regressará em 2018, acontecendo distâncias semelhantes entre as temporadas das restantes séries Marvel/Netflix. Com Game of Thrones é claramente uma tentativa de ganhar mais milhões à pala da série durante mais uns anos. Já a longa espera pela segunda temporada de Westworld deve-se maioritariamente ao custo elevado de produção. Seja o que for, há que pensar mais nos fãs!

4. Que o episódio final de Sense8 seja estrondoso e inesquecível a todos os níveis, levando a Netflix (mais uma vez) a repensar na decisão de ter cancelado uma das melhores e mais diversificadas séries feitas até à data. Quanto a Jessica Jones, que a segunda temporada seja tão ou mais badass do que a primeira. Uma mulher no meio de tanto homem do universo Marvel/Netflix merece sobressair ao mais alto nível!

5. Que continue a haver tolerância zero em questões de assédio e de abuso sexual. Nenhum de nós devia querer assistir a uma série (ou um filme) em que alguém foi vítima de comportamentos impróprios e que tal fique impune. Foi precisamente essa impunidade que criou a cultura da violação e ela não tem lugar no século XXI. Não devia ter tido em século algum, aliás, mas se a sociedade começar a encarar estes crimes com seriedade talvez eles possam ser seriamente desencorajados.

6. Once Upon a Time já deu o que tinha a dar e, surpreendentemente, este ano livrou-se do cancelamento, por isso, para que valha a pena dar a oportunidade a uma potencial nova temporada, por favor façam um trabalho de casting melhor do que o da sétima temporada! Gabrielle Anwar deve ser uma das piores vilãs da história da televisão, mas o problema não é apenas ela. Personagens como Jacinda (Cinderella) e Tilly (Alice) também não ajudam. Além disso, a série tem histórias a mais e foca-se em demasiados personagens ao mesmo tempo, por isso era positivo reduzir o núcleo.

7. Que tenhamos a notícia da confirmação de uma quinta temporada de Sherlock, pois Benedict Cumberbatch ainda tem muito para dar naquele papel.

8. Que também seja confirmada uma segunda temporada de Absentia, depois do contrato com a Amazon, e que continue a estrear em Portugal e Espanha antes do resto do mundo.

9. Em resposta ao sucesso da sequela do filme Blade Runner, a nova série da Netflix, Altered Carbon, promete levar-nos para um futuro negro, chuvoso e com muito néon, onde o medo da morte foi substituído por uma mera inconveniência como a de ter de se passar dados de um disco rígido para outro. Uma ideia interessante acompanhada por cenas de ação memoráveis e um custo de produção que promete trazer uma experiência cinematográfica ao pequeno ecrã! Tudo indicadores de uma excelente prenda logo no começo de 2018. Resta esperar que não desiluda, até porque, pelo trailer, tem tudo para ser a melhor estreia de ficção científica do ano.

10. As notícias de uma série sobre o passado em Krypton deixaram muita gente entusiasmada, depois da história passada no planeta origem do Super-Homem ter sido uma das partes com mais destaque em Man of Steel (2013). Esperemos que, após tanto tempo à espera, Krypton corresponda às expectativas e traga algo de novo sobre o passado de um dos super-heróis mais famosos de sempre.

11. Depois de tantos rumores, que seja confirmado de vez se Hannibal volta ou não! Com uma próxima temporada a centrar-se em The Silence of the Lambs (O Silêncio dos Inocentes), seria muito bom ver uma adaptação a série. Além disso, temos aqui um elemento do staff mais do que fã do filme (e potencialmente do livro, que ainda agora começou a ler!)

12. Que anunciem uma série live action de Star Wars (e, já agora, cancelem a nova trilogia!).

13. A Netflix tem de continuar Master of None e, a juntar a isso, tem também de proporcionar um final decente a Gilmore Girls. Mesmo com o aumento exponencial de novas séries, a Netflix tem o dever de oferecer à legião de subscritores, desfechos para as suas séries, nem que seja num episódio especial, como será o caso de Sense8.

14. Que as segundas temporada de Big Little Lies e 13 Reasons Why não sejam uma desilusão, já que se tornaram dois dos melhores exercícios televisivos nas primeiras temporadas e seria um autêntico murro no estômago ver algo tão bom tornar-se algo que se possa odiar.

15. Adicionalmente, que a segunda temporada de The Bold Type continue a ser uma lufada de ar fresco e inspiração para todos, pois foi capaz de retratar o feminismo do novo milénio (e como sempre deveria ter sido), como nunca outra série conseguiu.

16. Que This is Us divulgue de uma vez por todas a morte de Jack, pois este mistério arrasta-se há tempo suficiente e a série precisa de dar um passo à frente para continuar a deliciar os fãs.

17. Se, por um lado, é com bom grado que recebemos os revivals, por outro é com apreensão que aguardamos o que irá sair dali, pois, até à data, poucos conseguem ser dignos à essência da série original e, se for assim, fiquem quietos por favor!

18. Que o projecto da Amazon com The Lord of the Rings nunca venha a ter luz verde, porque há obras que são de uma qualidade tal que não se pode mexer mais. Contudo, caso venha a acontecer, que relate histórias ainda não contadas no grande ecrã. Por outro lado, há sagas que ainda poderiam ter muito para explorar, por isso seria engraçado ver uma série passada no universo de Harry Potter.

19. Prémios para Shameless e The Americans, pois está mais do que na hora de os brilhantes actores que protagonizam as séries começarem a receber mais do que apenas nomeações! Aliás, seria bom que os principais eventos diversificassem mais o leque de nomeados, onde acabam por repetir muito as apostas de anos anteriores. Também seria muito positivo reconhecer séries que à partida não seriam material óbvio de nomeação aos Emmys ou aos Golden Globes. A qualidade merece ser premiada, independentemente do género!

20. Que a CW continue a apostar em crossovers do Arrowverse e com a boa qualidade da deste ano! Por outro lado, embora estes crossovers façam as delícias de quem segue todas as séries do universo, ‘obrigam’ os fãs que não acompanham todas, a ver os episódios das quatro para estarem a par dos acontecimentos, por isso é preciso encontrar um equilíbrio. E já que estamos a falar de crossovers, também seria interessante vermos alguns entre as séries do universo Marvel ou até mesmo com os filmes.

21. Que a Freeform cancele ou altere radicalmente Shadowhunters porque, em especial para os fãs dos livros, a história é má e a interpretação do elenco deixa muito a desejar.

22. Que Supernatural seja renovada, pois é como o vinho do porto: quantos mais anos tem, melhor fica. Isso muito se deve aos atores e produtores, que se importam com os fãs e não os desiludem episódio após episódio.

23. Que a nova temporada de Dark, a inesperada e promissora série alemã da Netflix, consiga manter todos os ingredientes da primeira, recheada de mistério, suspense e intrigas, ao mesmo tempo que lima as pequenas arestas pontiagudas que ficaram por reajustar no passado, presente e futuro, estreando o mais brevemente possível.

24. Que Shonda Rimes e companhia não arrastem por muito mais tempo How to Get Away With Murder. A série já teve o seu auge, levando ao limite os corações de milhões, contudo, episódio após episódio, as audiências continuam a cair, revelando a fragilidade da série que, apesar de manter a qualidade, começou a perder a a sua força, provando que o que é bom não dura para sempre. Que não se torne um déjà vu de Grey’s Anatomy, por favor.

25. Que continuem a apostar em séries baseadas em banda desenhada, apenas pedimos que não cometam o mesmo erro de Inhumans.

26. Com o fim anunciado de CasualYou’re the Worst, que continuem a aparecer séries de comédia inovadoras e controversas, e que as que ainda estão no ar continuem por muito mais tempo, tais como Better Things, Atlanta, Catastrophe e SMILF .

27. Ainda dentro das comédias, que os canais continuem a apostar em projetos escritos, realizados e/ou protagonizados por mulheres para calar toda a gente que acha que só os homens é que são bons comediantes. Girls, SMILF, Better Things, Insecure, Broad CitySearch Party são bons exemplos do poder feminino na comédia.

28. Que os canais televisivos americanos acabem com os cancelamentos silenciosos, onde retiram as séries da respetiva programação e até dos websites oficiais. No entanto, não têm coragem de anunciar o cancelamento numa conferência de imprensa. Esta situação não é só uma falta de respeito para com os seguidores das séries, mas também para com todo o elenco que investiu trabalho nelas.

29. Independentemente da sua localização, que a Comic Con Portugal continue a melhorar, com parcerias de todos os canais e serviços portugueses, renovando também expositores e o nível de organização, de modo a não desiludir ninguém, principalmente os fãs que acompanham tudo desde a primeira edição. E que consigamos ter novamente um expositor Séries da TV!

30. Terminamos a reforçar o nosso desejo dos anos anteriores de que grandes estrelas de Hollywood continuem a ver nas produções televisivas uma forma de arte tão digna quanto o cinema e continuem a migrar para o pequeno ecrã, premiando-nos com grandes séries e interpretações; que 2018 seja repleto de grandes estreias e que, mais uma vez, se bata o recorde de séries produzidas, com muita qualidade à mistura!