Antes de mais: Calma! Não, isto não é para levarem tão a peito!

Aviso já, porque se não vai dar asneira !

Vou ser sincero: não ando com paciência. Se para alguns tempo é dinheiro, para mim tempo é paciência. E como ando sem tempo, consequentemente ando sem paciência.

Tanta série nova, tanta opinião nova, tanta crítica nova… e eu sem espaço mental e psicológico para acompanhar esta evolução. Mesmo assim tento não deixar as minhas “joias da coroa” para trás. Não são essas “joias” que estão a pensar. Estou a falar das minhas séries favoritas.

Mas tenho que arriscar. Tenho que sacrificar parte do meu sagrado descanso para ver o que anda aí de novo. Tenho visto algumas coisas… vi a nova temporada de Orange is The New Black, vi 13 Reasons Why… Sim, ok, 13 Reasons Why já lá vai! MAS NÃO ME JULGUEM! Não tenho culpa.

Esta primeira parte foi só para vos dizer como anda a minha vida de sériólico. Anda calminha, melhorando aos poucos… Mas hoje estou aqui para falar de um assunto semi-sério.

Semi-sério porque para mim é sério, mas, para vocês, peço que interpretem como apenas semi-sério. Eu não sou “modinhas”. Odeio quem o seja. Na vida? Aí sou o maior “modinhas” que pode haver. Até já tenho um fidget spinner e gosto!

Agora nas séries? Epá, não! Fico agastado. E como não sou “modinhas” tenho que ser alguma coisa. Não posso ficar para trás nesta recente e nova sociedade de especialistas de séries, profissionais que proliferam pela internet, pelas redes sociais.

Então constatei aquilo que já há muito sou e nunca me tinha apercebido. Bem, lá no fundo sempre soube. É a altura certa para sair deste “armário”. Não consigo mais ignorar este facto. Chega… tenho que me assumir como aquilo que sou e ter orgulho nisso!

Fãs, colegas, amigos… Eu sou… o “DIFERENTÃO”! Sou eu. João Alves, o diferentão das séries. Tu gostas da série X? Eu odeio! Tu lamentas a morte da personagem Y? Eu adorei! Posto isto apresento-vos 15 tópicos que me deixam fora de mim! Quinze assuntos em que devo ser o real “diferentão”:

WARNING: Alguns destes tópicos podem ferir a tua susceptibilidade (nem faço ideia do que significa esta palavra). Sente-te à vontade para me insultar nos comentários se assim o desejares e te satisfizer.

1 – O que é que vocês vêm em Lucifer? Tão, mas tão, mas tão fraquinho que até dá dó. CSI com uma encarnação do Diabo. Não é mais nada, gente! Parem e pensem.

2 – Se encontro, conheço ou ouço alguém dizer que Luke Cage tem qualidade, assumo de imediato que a pessoa sofre de um distúrbio ou transtorno grave. Porque LUKE CAGE FOI ABAIXO DE MAU!! A história é seca, os personagens são fracos e o Mike Colter não é ator nem aqui nem no pior teatro, debaixo de uma ponte velha, no Zimbabué.

3 – Vamos ser sinceros: Daredevil é muito bom! O enredo está fantástico, as personagens são geniais e a escolha do elenco não podia ser melhor, mas… será que é assim tão bom? Vais dizer que dos 13 episódios de ambas as temporadas, nunca disseste baixinho, só para ti: “Fogo, nunca mais termina este episódio!”?

4 – Grey’s Anatomy – Duas palavras que, quando juntas, me fazem ficar exasperado, sem nunca sequer ter visto mais que 30 segundos de um episódio.

5 – Se ao fazer zapping encontro algum canal a transmitir Modern Family fico imediatamente mal disposto, com raiva, e insulto mentalmente todas as pessoas que achem uma réstia de piada à série mais “sem sal” de sempre.

6 – Não entendo o fascínio com Ministério do Tempo. Portugal, campeão da Europa em futebol, vencedor da Eurovisão e, para sempre, rei das fracas produções e adaptações. Esta não é, não foi, nem será diferente.

7 – Em que cidade, país, continente, planeta, galáxia ou universo é que vocês viram Black Mirror para achar que era alguma coisa de jeito?

8 – Stranger Things foi excelente. Stranger Things vai ser lixo. Espero estar errado. Mas não estou. Nem vou estar. Infelizmente.

9 – Através de que meio/site vocês assistem a The 100? É que eu já tentei por diversas fontes e o resultado é sempre mau. E não estou a falar da qualidade do streaming.

10 – Gotham é atualmente a minha série favorita, mas tenho que admitir: a season finale foi má, forçada e muito fan-made. Aquilo é só o pior Batman alguma vez caracterizado. Além disso, acho que o David Mazouz não tem o mínimo jeito para a personagem de Bruce Wayne (nem para outras, sinceramente) e sempre que ele aparece no ecrã é quando eu aproveito para ver as mensagens e ir às redes sociais.

11 – Breaking Bad foi chato, irritante e é a série mais overrated de sempre. E para mim o Bryan Cranston vai ser sempre o Hal de Malcolm in the Middle e nunca o Walter White ou o Heisenberg.

12 – A mais recente temporada de OITNB está razoável. SÓ RAZOÁVEL! Perdeu qualidade. Muita qualidade. Imensa qualidade.

13 – Concordo piamente com o cancelamento de Sense8. Estavam à espera de quê? Não me venham com a conversa de ser uma série cara. A Netflix tem dinheiro para isso e muito mais. Demoraram imenso tempo a lançar nova temporada para uma série que causou muito impacto positivo. Quando lançaram o especial de Natal e a segunda temporada sabem o que mais de meio mundo disse? “Sense8 who“? Que sirva de exemplo.

14 – Eu adorei o final de Lost. Não percebo em que medida, sentido, explicação, ponto ou situação o final de Lost possa ser considerado “mau”. Sinceramente, e do fundo do íntimo do meu ser, o final foi mais que perfeito e adequado à melhor experiência de sempre.

15 – 13 Reasons Why é a pior série que eu já vi. De sempre. Estou a ser o mais sincero e sem sarcasmo possível. Não entendo nem um milímetro dos infinitos metros de hype que isto tem. Previsível até ao tutano, desculpem a expressão! Atores tão fracos e aborrecedores que fazem do Mike Colter o melhor ator do mundo.

Há muitos e muitos mais assuntos. Era capaz de escrever um livro só com situações semelhantes às que expus acima.

E tu? Há alguma situação com a qual te identifiques? Ou outras?

Partilha a tua opinião!

João Alves