Classificação

8.5
Interpretação
8.2
Argumento
8.7
Realização
7.8
Banda Sonora

Depois de um episódio um pouco mais fraco, Designated Survivor voltou em força para o último episódio deste ano e fechou esta primeira parte da temporada em grande.

Hannah, depois de ter sido abalroada por outro carro, sofre mais uma tentativa de homicídio ao ser estrangulada, mas mesmo ferida consegue fugir e refugiar-se em casa de Chuck. Com isto, Kimble não consegue atrasar mais a audiência sobre MacLeish, sendo este votado novo Vice-Presidente dos EUA.

Já Tom, depois de ter acesso ao ficheiro 12-80C, convoca o seu autor, que lhe diz que as pessoas que sabiam da simulação do ataque ao Capitólio eram muito poucas e todas elas morreram no próprio ataque, à exceção de uma: o General Cochrane. Sim, aquele que Tom despediu nos primeiros episódios.

Tom vê-se obrigado então a falar com o General de forma a saber como o ficheiro acabou nas mãos das pessoas erradas. O General confessa que nunca tinha visto aquele ficheiro, já que ele havia sido reclassificado pelo Secretário da Defesa do anterior governo e bloqueando assim o seu acesso ao ficheiro, atitude que nunca tinha acontecido, o que significa que alguém queria que este ficheiro continuasse desconhecido. Avisa ainda Tom de que para o Secretário da Defesa fazer isso é porque foi ordenado por algum superior de dentro da Casa Branca e pertencente ao anterior governo.

Emily e Aaron beijam-se pela primeira vez, confirmando a atração entre ambos. Contudo, uma possível relação começa logo com o pé errado, visto que a confiança de Emily em Aaron é posta em causa quando Tom lhe conta a história da fuga de informação sobre o ficheiro e de que ela partiu de um elemento da Casa Branca. Na lista de possíveis suspeitos está Aaron (que fez parte do antigo governo), que Emily mais tarde confirma que contactou com o Secretário da Defesa. Será que Aaron está envolvido no ataque?

Falando com Kimble e ficando a saber que a informadora dela era Hannah, Tom manda Mike procurá-la, pois precisa de saber mais sobre esta história. Espero ansiosamente por este encontro!

Chuck e Hannah conseguem localizar a pessoa que dá informações a Hannah sobre MacLeish. Essa pessoa não é nada menos de que Charles Langdon, Chief of Staff do anterior presidente e superior de Aaron, que, supostamente, tinha morrido no ataque ao Capitólio. Antes de escapar novamente, Charles diz a Hannah que é muito difícil esconder-se “deles”, que não confie em ninguém e que tudo isto é maior do que aquilo que ela pensa! Neste momento, um homem tenta matá-los aos dois, mas acaba morto por Hannah. No casaco do homem está uma chave de um quarto mesmo em frente ao Capitólio em reconstrução (boas imagens, bastante realistas) onde vai decorrer a cerimónia da tomada de posse de MacLeish como Vice-Presidente. Hannah percebe neste momento que vão tentar matar Tom para que MacLeish possa assumir a presidência dos EUA.

Antes da cerimónia, MacLeish tem dúvidas se está a fazer a coisa certa e é incentivado pela mulher (sim, ela também está envolvida no ataque), que lhe diz que terão de fazer tudo o que for necessário para que ele chegue à presidência e tornar a nação no império que já foi e que os “amigos” confiaram nele para esta missão! (Quem estará nesse grupo de “amigos”?)

No decorrer da cerimónia vemos Catalan posicionar-se na janela do quarto no qual Hannah encontrou a chave para disparar contra Tom, logo depois de MacLeish assumir a posição de Vice-Presidente. No preciso momento em que Catalan vai disparar, Hannah consegue localizá-lo e dispara na sua direção, fazendo com que a bala acerte na janela, mas não impedindo que este dispare na direção do palco onde estão Tom, MacLeish, Alex, Emily, Aaron, Seth e Mike. Não conseguimos ver quem foi ou se alguém chegou a ser atingido pelo disparo e vamos ter de esperar pelo próximo ano para descobrir. Apostas?

Muito bom este episódio! Teve de tudo, muita ação, nada de tempo morto ou informação desnecessária, bem estruturado na história e que nos deixa em suspenso para saber o que aconteceu e como isso vai afetar a história e poder alterar ou não o rumo dos acontecimentos. Gostei também de ver mais ação por parte de Maggie Q, finalmente! Se bem que uma pessoa normal não sofria um acidente num dia e no dia seguinte já estaria a correr atrás de bandidos como se nada tivesse acontecido.

David Pereira