Classificação

6.5
Interpretação
7.5
Argumento
6
Realização
8
Banda Sonora

A pronúncia forte irlandesa, o típico humor ligeiramente negro do povo britânico/irlandês e a nostalgia dos anos 90 é tudo o que se podia esperar de uma série como Derry Girls, que estreou no início de 2018 na Irlanda do Norte, mas que apresenta agora a sua estreia global.

Confesso que quando comecei a ver o episódio, sem legendas, me senti completamente perdida porque não conseguia entender uma única palavra! O sotaque irlandês, que é ainda mais exagerado na série, é algo a que tive de me ir habituando, mas que confere um certo charme à série. Vê-se que foi pensada muito especificamente para apelar ao povo da Irlanda e Reino Unido, já que a velocidade com quem as personagens falam, o vocabulário e pronúncia são muitos reais e não são, de todo, de fácil perceção. Então se compararmos com aquelas séries britânicas, com uma pronúncia muito refinada de Londres, isto não tem nada a ver.

Mas voltando à história em si, esta concentra-se na vida de uma adolescente de 16 anos, Clare Devlin (Nicola Coughlan), e no seu grupo de amigos e família. A série acontece nos anos 90, durante o conflito da Irlanda do Norte (ou The Troubles, como ficou conhecido), que começou em Derry nos anos 60, devido a conflitos entre protestantes e católicos. Neste episódio piloto são dadas pistas para a completa indiferença das camadas mais jovens face aos conflitos, o que é de esperar na adolescência, idade em que os maiores problemas da vida são os pequenos dramas que giram à volta do jovem e do seu grupo de amigos. Assim, Clare e as amigas estão mais preocupadas com as novas raparigas que ocupam o seu lugar no fundo do autocarro do que com as notícias de bombas que deram na televisão nessa manhã. Típico!

Como já disse anteriormente, acho que a série foi criada para um público muito particular e por essa razão, apesar de ter tido algumas cenas engraçadas, é, no geral, uma paródia. A pronúncia e a forma como as personagens falam é exagerada, bem como as próprias situações em que elas se metem. Vai depender muito de quem a vê, mas não é má de todo! Se estiverem curiosos, eu aconselharia a darem uma oportunidade e descobrirem por vocês se é o vosso estilo de comédia.

Ana Oliveira