Continuamos a dar a conhecer curiosidades sobre séries e, desta vez, decidimos partilhar algumas sobre a famosa comédia dos anos 90, Seinfeld.

1. Jerry Seinfeld e Larry David, os criadores de Seinfeld, tiveram a ideia para a série depois de uma conversa sobre diferentes produtos numa mercearia. No entanto, a ideia original não passava por uma série, mas sim por um mocumentário de 90 minutos acerca de um comediante que escreve piadas sobre o seu quotidiano. Era então para ter sido emitido em vez de Saturday Night Live, por uma noite, mas a NBC gostou tanto do guião – que se chamava Stand Up – que acabou por encomendar, em alternativa, um episódio piloto.

2. Já com o envolvimento da NBC, nas reuniões com os executivos, corre o rumor de que Larry David se recusava muitas vezes a aceitar as suas sugestões e acabou por ser impedido de estar presente. Foi também Larry o responsável por instituir uma política de “nada de abraços, nada de aprendizagem”, porque queria evitar que a série entrasse por um campo de sentimentalismo e de lições de moral, uma vez que não era suposto que os personagens retirassem lições dos seus erros ou que crescessem.

3. Uma das piadas recorrentes da série é que Jerry não sabe representar. Na verdade, esta foi uma das preocupações dos produtores, que decidiram compensar isso com um elenco secundário forte, com destaque para Jason Alexander, um reconhecido ator da Broadway.

4. Inicialmente, Elaine Benes não fazia parte da série. No entanto, a NBC demonstrou preocupações por a série poder ter um foco demasiado grande em personagens masculinos e insistiu em incluir uma figura feminina no elenco regular. Aliás, esta terá sido mesmo uma das condições a cumprir para que a cadeia televisiva desse luz verde à série.

5. Na primeira versão do piloto da série, intitulado Good News, Bad News, pôde ver-se Lee Garlington no papel de Claire, a empregada de mesa do café que Jerry e George frequentavam e que lhes dava conselhos. No entanto, quando a série foi encomendada, a personagem foi posta de parte. Segundo Jason Alexander, Lee teria reescrito algumas das partes do seu texto, o que desagradou a Larry David.

6. Steve Vinovich (Raising Miranda), Larry Hankin (Lucifer’s Women) e Tony Shalhoub (Monk) foram considerados para o papel de Kramer. Para o de George estiveram em hipótese Danny DeVito (It’s Always Sunny in Philadelphia), Nathan Lane (The Good Wife), David Alan Grier (The Carmichael Show), Larry Miller (10 Things I Hate About You), Kevin Dunn (Veep) e Brad Hall (Saturday Night Live). Também a fazer audições para interpretar George esteve Robert Schimmel (The Bobby & Larry Show) e o ator Paul Shaffer (Saturday Night Live), que, na sua autobiografia, diz que o papel lhe foi oferecido, mas que o recusou.

7. Em vez de Julia Louis-Dreyfus, podíamos ter tido Amy Yasbeck (Wings), Jessica Lundy (The Inspectors), Mariska Hargitay (Law & Order: SVU), Megan Mullally (Will & Grace), Patricia Heaton (The Middle) ou Rosie O’Donnell (SMILF) no papel de Elaine Benes, uma vez que todas elas fizeram audições. Terminando esta parte referente a castings, Charles Durning (Rescue Me), Carl Reiner (Good Heavens), Edward Asner (Center of the Universe), Abe Vigoda (Barney Miller) e Alan Arkin (The Kominsky Method) tentaram a sua sorte para o papel de Frank Costanza.

8. Os vários personagens da série são inspirados em pessoais reais. Inclusive, o amigo em quem Seinfeld se inspirou para dar o nome a George Costanza tentou processar os criadores da série, bem como a NBC, invocando invasão de privacidade e difamação de carácter. No entanto, o caso não foi avante, porque a queixa não foi feita durante o primeiro ano de emissão da série e os juízes decidiram não avançar com o processo judicial. No entanto, Costanza foi baseado no próprio Larry David e nas suas experiências. Jason Alexander não sabia disso desde o início, por isso usara Woody Allen como modelo para o seu personagem até aí. Já o nome do meio de George, Louis, é uma homenagem ao comediante Lou Costello, que foi uma grande influência para a série.

9. Quem também não ficou muito satisfeito por se ver na série foi o verdadeiro dono do negócio de sopas que inspirou the Soup Nazi, o ‘nazi das sopas’. Tanto na ficção como na realidade, estas sopas têm uma excelente fama, mas o proprietário do negócio é conhecido pela forma peculiar de lidar com os clientes. No entanto, na vida real, em vez de ser apelidado de nazi, Al Yeganeh era chamado terrorista por aqueles que frequentavam o seu negócio e pensa-se que isso se devia às suas origens iranianas. Al não gostou de se ver retratado de forma negativa e considera que a série lhe arruinou mesmo a vida.

10. Já Elaine é baseada em três pessoas diferentes: Carol Leifer, uma amiga com quem Seinfeld teve alguns encontros amorosos e que acabou também por trabalhar na equipa de argumentistas da série e como editora; Susan McNabb, uma namorada de longa data de Seinfeld; e Monica Yates, que saiu durante uns tempos com Larry David. Também baseado numa pessoa real foi Jackie Chiles, o advogado de Kramer. Chiles é uma espécie de caricatura de Johnnie Cochran, o advogado de O.J. Simpson.

11. A popularidade de Kramer era de tal forma grande que os aplausos que recebia da audiência se tornaram tão demorados que o elenco se queixou de que lhes dava cabo do andamento das cenas e os realizadores acabaram mesmo por pedir aos fãs para não aplaudirem tanto.

12. Seinfeld decidiu terminar a série ao fim de nove anos por causa da banda The Beatles, que também acabou ao fim de nove anos de trabalho em conjunto. Assim sendo, quando a NBC fez uma oferta milionária para uma 10.ª temporada, a proposta foi recusada.