Classificação

7
Interpretação
6.8
Argumento
7.2
Realização
7.5
Banda Sonora

[Contém spoilers]

“Trees and nigthmares”

Romanos, celtas e druidas? Inscrevam-me já para uma série com essas palavras-chave. Britannia é o novo drama histórico com uns pozinhos de fantasia, produzido numa cooperação dos canais da Sky Atlantic e da Amazon Prime.

A sua criação deriva das mentes de Jez Butterworth (007 Spectre, Edge of Tomorrow), Tom Butterworth (The Last Legion, Fortitude) e James Richardson (Bronson, Monsters). Quanto à realização do piloto, ficou nas mãos do experiente Metin Hüseyin, que já conta com experiência de realização em séries como Merlin, Borgia e Outlander.

Passando às estrelas, a série conta com talentos como: David Morrissey (The Walking Dead, The Missing, Extant), Kelly Reilly (True Detective, Black Box) e o ator dinamarquês Nikolaj Lie Kaas (Bedrag, Forbrydelsen). Os três atores trazem qualidade à serie com as suas interpretações, embora isso não seja uniforme para o elenco inteiro e personagens como por exemplo Antonius (Aaron Pierre) e Lindon (Stanley Weber) precisam de melhorar um bocado.

Descrita como um misto entre Vikings e Game of Thrones, o piloto realmente apresenta alguns elementos semelhantes a Vikings (Divis consegue ser mais maluco que Floki!). A ação é bastante rápida e envolvente, o guarda-roupa e acessórios são convincentes, os cenários adequam-se à história que está a ser contada e o ambiente é bem complementado com a banda sonora. A qualidade da fotografia é boa, apesar de alguns efeitos especiais deixarem um pouco a desejar, mas felizmente a série também não abusa deles. Algo que não combina de todo com o tom da série e parece tirado de uma sitcom sobre os anos 60 é o genérico e as paragens ao longo do episódio em que aparece o nome da série também são desnecessárias.

A sinopse leva-nos à invasão de um exército romano, às Ilhas Britânicas, comandado pelo experiente general Aulus, que pretende mostrar que consegue dominar este sítio amaldiçoado do qual o próprio Julius Cesar teve medo. Facto interessante é que em 43 d.C., o imperador Cláudio realmente organizou uma invasão com seu general Aulo Pláucio de forma a conquistar definitivamente a Britânia. Se a história de um povo resiliente e com o apoio de druidas e poderes mágicos que fazem frente ao império romano vos fizer lembrar dois pequenos guerreiros – um baixinho e outro que caiu na infância num caldeirão mágico (Asterix e Obelix), isto só demonstra que os gauleses não foram os únicos a fazer frente aos romanos, mas parece que ter a ajuda de druidas realmente é algo que dava jeito. O misticismo dos druidas é um ponto apelativo da série e a forma como Divis usa os seus “poderes” (desde a viagem ao submundo e a forma como subjuga os seus atacantes através de hipnotismo) é deveras fascinante.

Mais do que ação e misticismo, a série também parece focada nas tradições celtas, nas políticas das diferentes tribos e nos acontecimentos no restante Império Romano. De certa forma, o argumento é tão rico que acaba por transformar o piloto numa história algo confusa. No entanto, também poderá ser indicativo de que a temporada terá muitos enredos por explorar e que sem dúvida não falta material caso aconteça uma renovação.

Britannia demonstra sem dúvida ser uma série que tem pernas para andar apesar de ainda nos ter que conquistar definitivamente com as suas personagens e pôr a par da história que querem contar. Aconselha-se a ver os próximos episódios para ver o rumo que a temporada irá tomar. Com 9 episódios de uma hora cada, os episódios sairão semanalmente no canal Sky Atlantic, embora a temporada também vá ficar toda disponível em NOW TV e em Sky On Demand para os fãs que queiram fazer binge-watching. Outra opção será ver a série na Amazon Prime.

Emanuel Candeias