Classificação

8.5
Interpretação
8
Argumento
8.5
Realização
7
Banda Sonora

Contém Spoilers!

No episódio passado, ficámos com a revelação que a mãe de Kurt tinha sido parte de Sandstorm. Não uma parte muito consciente (não era uma das organizadoras, nem sequer tinha consciência do que Sandstorm fazia), mas forneceu-lhes informação e fez trabalhos para eles. Assim este episódio pega nessa mesma linha de enredo e apresenta-nos três histórias diferentes.

A primeira é a continuação direta do episódio anterior. Kurt e Jane vão conhecer Linda Weller, o que não é uma conversa fácil para Kurt, que vê a mãe num estado lastimável e envolvida com traficantes aos quais deve bastante dinheiro. Acabou por não ser a pista mais importante para seguirem, mas foi uma história com começo, meio e fim, sendo que este último acaba por ser um pouco uma reconciliação de Kurt com o seu passado e com a sua mãe. Não é um conto de fadas, foi duro, mas realista. Especialmente a parte em que ele diz que se tornou um agente do FBI para dar a segurança que não lhe conseguiram dar a ele. Foi um momento muito bom e dos meus preferidos do episódio.

A segunda linha foi o “caso” deste episódio. Esta semana é sobre uma empresa, a EVC (como estava a ver o episódio sem legendas, inicialmente pensava que se chamava AVC), que organizou uma gala. Nessa gala descobre-se um caso de fuga de informação confidencial e era alguém naquela sala que estava a tentar vendê-la. Não foi memorável, mas ia prendendo a atenção. Aquele pequeno twist a meio, quando as atenções passam do pai para a mãe, não se pode dizer que foi inesperado, mas foi útil, apimentou as coisas durante mais um bocadinho. Honestamente o caso em si foi a parte menos boa deste episódio, pelo simples motivo que nos aproximamos da reta final (faltam apenas três episódios, pessoal!) e são histórias que te agarram durante o tempo do episódio, mas depois passam, enquanto que a história que se está a passar em simultâneo sobre Sandstorm, sobre Kurt e Jane ou sobre Dominic, essas sim vão ser o que vai fazer lembrar Blindspot. 

A última linha foi a de Kathy, que dá nome ao episódio. Durante todo o episódio achei que tinha sido uma estupidez voltarem a trazer Kathy ao barulho e que em nada estava a contribuir para a história. Como me tinha enganado! Considero que foi um golpe bastante inteligente dos argumentistas. Durante todo o episódio levam-nos a crer que Kathy continua sem noção e apenas a extorquir dinheiro a Patterson e a Rich, os dois ex companheiros dos Three Little Mice, só que não, no último segundo do episódio vemos com quem é que Kathy se irá casar, supostamente, e é com Dominic, que a está a utilizar para atacar a equipa.

Gostei bastante deste episódio – é talvez um dos melhores desde que voltou da pausa – pelo facto de ter conseguido criar aquela sensação de surpresa e de engano. O resto é o normal em Blindspot, conseguem dar-nos 42 minutos todas as semanas que não são aborrecidos. Uns são melhores, outros piores, mas entretêm. Agora resta ver como se irá desenrolar o que falta, para ver se acabamos em grande. Irei estar convosco nesta jornada durante mais três episódios.

O que acharam?

Raul Araújo