Classificação

9
Interpretação
9.6
Argumento
8.9
Realização
8
Banda Sonora

Contém Spoilers!

Depois de uma semana de pausa, chegou o episódio que já se andava a prever, o confronto adiado entre Kurt e Remi, e não desapontou. Blindspot forneceu-nos mais um daqueles episódios de manter o olhar no ecrã e tentar evitar piscar os olhos, porque está sempre tanto a acontecer que não queremos perder nada. E deste lado não perdemos!

Aos poucos e poucos, o papel de Madeline como vilã vai-se enraizando e, hoje em dia, já a vejo a ser a principal antagonista desta temporada e trazer qualidade a esse papel. Não é um Roman, mas dificilmente poderia ser. Zapata continua a jogar o seu jogo, parecendo cada vez mais real e não apenas um papel desempenhado, e ficou-nos prometida alguma ação no México para o próximo episódio, algo que também tem potencial para esta linha de enredo. Se conseguirem o hacker que lhes falta, têm tudo para pôr o seu plano em ação.

Patterson e Rich conseguem tornar o seu tempo de antena interessante, seja a falar dos problemas amorosos de Rich com Boston ou a tentar descobrir a cura para a doença de Jane. E aquele vídeo promocional criado por Rich foi, sem dúvida, muito engraçado. Pode não ter sido adequado à situação, devido ao pouco tempo que Jane tem de sobra, mas fez-me sorrir. Não foram particularmente fulcrais neste episódio, uma vez que ninguém sabia o que estava a acontecer com Jane e Kurt, mas garantiram que o tempo que iam tendo estava bem entregue.

Matthew é um forte candidato a uma futura crónica de personagens que odiávamos e passámos a gostar parte 2. Se forem ver um episódio de uma temporada anterior é insuportável. E agora arrisca a sua própria vida para ir salvar Zapata mesmo sem saber se ela merece ou não. E joga jogos duplos perigosos com Madeline. Quando ela descobrir que Matthew não é assim tão fácil de vergar, não irá gostar muito. Reade inclusive fica meio abananado com a confiança e ajuda de Matthew. Se Blindspot tiver uma 5.ª temporada, ele já solidificou muito bem a sua posição de líder.

Por fim, a discussão entre Jane e Kurt foi conduzida com um toque de mestre. Ambos disseram aquilo que andavam a conter há algum tempo, apenas para depois serem interrompidos e colocados numa situação de vida ou de morte onde foram forçados a colaborar, muito contragosto, para conseguirem sair com vida. No entanto, a situação não foi aleatória, uma vez que só aconteceu porque Jane tinha roubado os 500 mil dólares quando encontraram o banco clandestino. A raiva foi diminuindo aos poucos, e numa situação de pânico, Jane confiou mais em Kurt do que na sua visão de Roman. Uma coisa tornou-se clara, existe uma pequena parte de Jane que ainda não foi eclipsada por Remy. Inclusive na cena final de permitir que Weller ficasse com vida quando teve a hipótese de não o fazer e ligar para ver se ele estava vivo.

Com a rutura feita, temos três partes: Jane, que ainda não desistiu de ver Shepherd; Kurt e o FBI, que procuram reaver Jane e curar-lhe a doença; e, por fim, Madeline, que tem Zapata do seu lado e prepara uma jogada bastante grande. Ainda só passaram 7 episódios, mas os dados estão bem lançados para mais uma grande temporada.

O que acharam?

Raul Araújo