Classificação

8.8
Interpretação
8.9
Argumento
8.6
Realização
8.5
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Team Arrow Go!

A 7.ª temporada de Arrow continua a ser uma viagem excitante e cada episódio é um pack de emoções. “Due Process” teve diversas coisas a acontecer, todas bem balanceadas e o funcionamento bem oleado da Team Arrow (ou Team Felicity, como também pode ser chamada agora) foi um dos pontos mais fortes do episódio.

“Everybody has good and bad inside of them, and you can’t put people in one box or the other ever”

Katie Cassidy esteve em alta esta semana e finalmente Laurel Lance começa a provar que merece ainda existir na série e que a sua personagem tem um propósito. O seu team-up com Felicity tem sido uma das surpresas mais agradáveis que esta temporada nos trouxe e a sua relação continua a ser desenvolvida de semana para semana.

Anatoly Knyazev, aka KGBeast, é o nosso mafioso preferido e esta semana esteve em tão maus lençóis que chegámos a pensar que o pior tinha chegado para ele. Apesar da sua fidelidade vacilar por vezes, na maioria dos casos vê-se do lado de Oliver e a sua ajuda é sempre preciosa.

Foi bom ver toda a Team Arrow a trabalhar em conjunto para parar mais um dos planos maléficos de Diaz, vê-los a conseguir aguentar-se contra os Longbow Hunters e a finalmente conseguirem derrotar e prender Diaz. A cena envolvendo as duas bombas fez em muito lembrar uma cena semelhante no novo Mission: Impossible – Fallout (2018), filme que se aconselha bastante. Apesar da aparente vitória fica a “pulga atrás da orelha” se Diaz não se deixou apanhar e se tudo não fará parte de um plano mais complexo. Caso não seja esse o caso, será que os Longbow Hunters o irão tentar libertar? Até que ponto vai a relação entre o trio e Diaz?

Conseguem imaginar Felicity como a nova Calculator? Bem, no presente ela já demonstra estar disposta a fazer o que for preciso para derrotar Diaz e proteger Oliver, por isso não é de estranhar que a evolução nesse caminho mais negro a leve a adotar o nome de vilão do pai no futuro. No futuro, o mistério das pistas que Felicity deixou a William continua e aos poucos vamos descobrindo cada vez mais elementos dessa estranha timeline. A equipa composta por William, Roy, Zoe e Dinah é bastante caricata, mas até funciona bastante bem e vem dar uma dimensão que ninguém esperaria às personagens de William e Zoe. O desafio do holograma das bolas de ténis foi um toque engraçado e bem pensado. No final, connosco permanecem as dúvidas: o que é a “The Mark Of Four”? Quem assassinou Felicity? Quem é Blackstar?

Quanto a Oliver Queen, apesar de continuar encarcerado, continua a amealhar pequenas vitórias que melhoram a sua qualidade de vida e a dos outros prisioneiros. Esta semana pudemos acompanhá-lo num pequeno, mas interessante, trabalho de detetive e parece que o frágil e inocente Stanley é afinal mais uma grande víbora.

Para terminar deixo-vos com a citação da semana: “The hardest thing to do is to be a hero when no one expects you to be. The easier path is to be a criminal.”, Laurel Lance.

“The Slabside Redemption”, só o título promete bastante e se gostaram de ver o Punisher contra todos os prisioneiros na 2.ª temporada de Daredevil, com certeza gostarão de ver quando Oliver enfrentar o mesmo desafio com Diaz também à mistura. Até lá, salvem as vossas cidades!

Emanuel Candeias