Classificação

7
Interpertação
4
Argumento
4
Realização
1
Banda Sonora

[Este texto contém spoilers]

American Soul é a nova aposta da BET. A historia é uma minissérie baseada em Don Cornelius (Sinqua Walls), criador e apresentador do programa norte-americano dos anos 70, Soul Train. O programa é, ainda hoje uma inspiração para a comunidade negra pelo papel preponderante que teve no lançamento de música e dança mais representativa da comunidade afro-americana.

A série transporta-nos para a década de 70, apesar de se iniciar com um possível suicídio do protagonista já no ano de 2012. Neste contexto, a série até começa com uma premissa interessante porque monta um cenário que nos leva a crer nessa hipótese, mas na verdade não ouvimos a arma a disparar. Esta opção dos guionistas pareceu-me sensata, já que nunca se descobriu se o verdadeiro Cornellius se suicidou ou foi assassinado. É com o mesmo protagonista que iniciamos a viagem nos anos 70, onde somos apresentados à sua esposa, que vive em Chicago, e ficamos a conhecer o seu programa, com o próprio a fazer a apresentação. Ainda em relação ao protagonista, um dos erros que aponto à serie é o abordagem do tema da perseguição racial na América dos anos 70, mas que rapidamente é esquecido durante o episódio

Outros protagonistas da trama são os pequenos grupos e cantores individuais que tentam começar uma carreira na música e que veem no programa de Cornellius uma oportunidade para concretizar os seus sonhos. Temos a história de várias cantoras bem conhecidas como Diana Ross (Michelle Williams) e Tina Turner (Gabrielle Dennis). São-nos apresentados outros núcleos da história como Julius “JT” Tucker (Christopher Jefferson), parte integrante de um trio musical que procura a ascensão no mundo musical, mas que contra si tem uma vida pessoal bastante complicada que promete ser um entrave para o desenvolvimento do seu talento. Parece-me a história mais promissora do enredo, mas que mesmo assim não foi o suficiente para me fazer sentir vontade de voltar a ver American Soul.

Reconheço que a serie poderá melhorar se se agarrar às interpretações dos seus protagonistas, já que estas foram o ponto mais positivo de todo este piloto. Vários foram os pontos desinteressantes ao longo dos 40 minutos, caindo mesmo em clichés já várias vezes repetidos em outras séries. Em conclusão, a última cena, em que Cornellius convence a mulher a mudar-se para L.A. com ele depois de ela estar chateada porque usou dinheiro para investir no programa que era dos dois, foi um final de episódio e um final para esta série no que ao meu interesse diz respeito.

                                                                                                                                                                  Catarina Lameirinhas