Classificação

7.5
Interpretação
6.3
Argumento
6.1
Realização
7
Banda Sonora

[Spoilers ahead!]

After Life foi criada por Ricky Gervais, realizada por Ricky Gervais e tem como protagonista Ricky Gervais, que interpreta Tony, um homem que vive amargurado com o facto de ter perdido a sua mulher depois desta ter morrido de uma doença terminal.

Esta comédia dramática faz parte da casa Netflix e segue a premissa de que os seres humanos passam a ser outras pessoas quando perdem alguém que lhes é muito próximo. Após a mulher ter morrido durante uma batalha na luta contra o cancro, Tony tenta suicidar-se, mas acaba por não conseguir e decide “viver o suficiente” para se vingar do mundo ao fazer e dizer tudo o que quer sem qualquer pudor. Embora ele pense nisso como uma espécie de superpoder, a situação complica-se quando as outras pessoas em seu redor tentam torná-lo uma pessoa melhor.

Constituída por seis episódios de sensivelmente meia hora cada, é uma série com um tema interessante e que pode entreter qualquer um. É leve e está bem interpretada. Apesar de ter considerado o episódio curto e de achar que faltava qualquer coisa, de qualquer forma a interpretação de Gervais é o que faz da série aquilo que é.

Em relação às personagens em redor de Tony, a que me pareceu mais interessante foi Sandy (Mandeep Dhillon), uma futura jornalista que acaba por ir parar ao jornal onde trabalha Tony e que tem como dono o seu cunhado ligeiramente “cromo”, Matt (Tom Basden), sendo que parece haver uma dinâmica que pode fazer soltar algumas gargalhadas.

No geral o piloto até está bem conseguido, pois conseguimos pela primeira vez na vida ter pena de David Bradley, de Game of Thrones e Harry Potter. Este, que interpreta o pai de Tony, está num lar e tem Alzheimer e por isso está constantemente a perguntar por Lisa (Kerry Godliman), a mulher de Tony. Tony tem de estar constantemente a relembrá-lo de que a mulher faleceu, sendo que esta foi, sem sombra de dúvida, a parte mais interessante do episódio.

Este tipo de temas são sempre importantes, uma vez que lidar com a perda de alguém nunca é fácil e penso que ninguém esteja preparado para isso. De qualquer forma não considerei que After Life fosse o suprassumo deste tipo de séries de humor negro.

Margarida Rodrigues Pinhal