Já aqui divagámos acerca do tema Spin-offs: Boa ideia ou cópia barata?. Sem dúvida que muitos deles são uma desilusão, pouco interesse têm e parecem servir apenas como forma de alimentar uma receita que já ficou comprovada ser capaz de gerar dinheiro. No entanto, há outros que fazem sentido e que ajudam a aprofundar um universo que tem mais histórias para contar ou que nos permitem conhecer melhor um personagem que já era familiar. Há bons e maus exemplos, como em tudo, o erro é mesmo quando se cai no exagero de pensar apenas no potencial económico esquecendo a qualidade e/ou a relevância do produto em si. É claro que tudo isso também vai de encontro aos gostos de cada um e é precisamente sobre alguns spin-offs que gostaríamos de ver que vamos falar:

jack_karen_will-grace

Spin-off de Will & Grace centrado em Karen e Jack: Há muitos anos (já lá vai mais de uma década!), quando via Will & Grace na televisão, não negava o quanto a série era engraçada, mas pensava que havia uma dupla bem mais doida e divertida, Karen e Jack, com potencial para uma boa comédia. Will e Grace têm uma dinâmica especial, mas a verdade é que o advogado não tem a personalidade mais cómica do mundo. Grace consegue ser pateta o suficiente pelos dois, mas… mesmo assim! Numa dupla constituída por Jack e Karen nenhum deles teria de ‘brilhar’ com maior intensidade para ajudar a ‘iluminar’ o outro, uma vez que são os dois personagens incrivelmente espalhafatosos, cada um à sua maneira. Estava longe de imaginar que, tantos anos mais tarde, Will & Grace iria regressar aos ecrãs, mas quando a notícia foi anunciada pensei novamente que iria gostar mais de ver Jack e Karen como protagonistas, desta vez.

downton_abbey_cora_robert

Prequela de Downton Abbey: Já algum tempo que se fala da possibilidade de uma prequela, que aconteceria com um novo elenco e sob a forma de filme. Eu apoiaria, sim, um spin-off que contasse uma narrativa anterior à retratada na série-mãe, mas num formato de série. Uma das possibilidades de que se falava era de uma história com uma Mrs. Patmore mais nova, mas para mim haveria muito potencial em contar mais sobre Cora e Robert Crawley. O casamento deles foi ‘arranjado’, aliando a fortuna de Cora ao estatuto de nobreza de Robert, algo que era bastante comum na época. Assim sendo, eles não começaram como o casal amoroso que hoje sabemos que são, mas como estranhos que se viram obrigados a unir-se pelo matrimónio. Gostaria de ver a história começar no momento em que Cora saiu dos Estados Unidos para rumar a Inglaterra, ver a forma como se adaptou a um ‘mundo’ tão diferente daquele que conhecia, passando pelo momento em que ela e Robert se conheceram e pela sua transformação de estranhos a casal apaixonado, culminando no nascimento de Mary. Acho que o resto da história se pode imaginar, mas adoraria conhecer melhor o ‘conto de fadas’ que foi a história destes dois, um dos meus casais preferidos do mundo das séries.

alex-vause_orange

Prequela de Orange Is the New Black sobre o passado criminal de Alex: Sou sincera quando digo que Alex Vause é a personagem de OITNB que mais me fascina. Sempre houve algo nela que me ‘seduziu’, mas também tenho a sensação de que não sabemos assim tanto quanto isso acerca da sua vida. Saltámos até vários momentos do seu passado em curtos flashbacks, mas não conhecemos suficientemente bem o passado de Alex. Sabemos que tinha um certo papel de relevância num cartel de droga, mas não vimos muito disso e acho que seria muito interessante ter uma verdadeira noção da dimensão do que Alex fez e não apenas um vago conhecimento. Gostaria de ver bem explorada a forma como ela entrou no negócio do mundo da droga, o seu percurso lá e a forma como tudo foi conduzido até à sua prisão, culminando no momento em que voltou a encontrar Piper, já em Litchfield. Depois a trama saltaria desse momento para se debruçar muito brevemente sobre aquela que será a vida dela quando voltar a estar em liberdade. Quero acreditar que essa vida será partilhada com Piper, mas sublinho que esse não seria o foco deste spin-off, pois já vimos muito das duas juntas. A parte interessante seria explorar a história que fez de Alex uma criminosa.

leverage

Leverage International, sequela de LeverageQuem seguia a série e a viu até ao fim de certeza que se lembra que foram eles próprios que deram esta sugestão, quem sabe para um dia acontecer. Após Nate e Sophie se retirarem da equipa no que foi um último golpe genial, descobrimos que Nate andava a treinar Parker para ter as competências de uma mastermind e que em conjunto com Hardison e com Elliot iriam tornar os seus serviços internacionais, juntando-se a equipas espalhadas por todo o mundo. Não seria fantástico termos uma temporada ou duas em que em cada episódio seguíamos uma equipa diferente a fazer estes golpes? Claro que alguns episódios teriam que ser protagonizados pela nossa ladra preferida e o resto da sua equipa porque, afinal de contas, ninguém os faz melhor que a original. No entanto, digo uma ou duas temporadas porque este formato não daria para ter uma história muito complexa por trás e portanto seria melhor algo leve e sem complicarem muito, em que matávamos saudades de Leverage.

gregory-house-house-m-d-158646-1920x1080

Prequela de House na altura em que ele era um estudante: House é sem dúvida uma das personagens mais icónicas de sempre e apesar de já termos descoberto o suficiente sobre o seu passado para perceber o porquê de o conhecermos com tanta amargura e cinismo, uma parte da sua personalidade deveria ser dele de forma inata, ou pelo menos o seu génio. Portanto, gostaria de ver como House era na altura em que estava a tirar o internato e quando trabalhava sob a chefia de pessoas que se consideravam melhores que ele. Na série original, mesmo quando ele está sob a chefia de Foreman, todos sabem, incluindo o próprio, que a opinião de House é a melhor. No entanto, não terá sido sempre assim quando começou no mundo da medicina e gostava de ver uma curta série que explorava como é que ele com o seu feitio lidava com isso e como é que começou a fazer crescer o seu nome no mundo da medicina.

Diana Sampaio e Raul Araújo

[themoneytizer id=”16130-19″]