Classificação

5
Interpretação
4
Argumento
5.5
Realização
8.5
Banda Sonora

Contém spoilers!

Há sempre qualquer coisa nas séries relacionadas com crime que me atrai. Penso que é porque, mesmo quando não se é fã do género, é difícil não ficar colado ao ecrã até ao final, ou pelo menos durante algum tempo; afinal o ser humano é curioso por natureza e queremos sempre saber o que aconteceu, como aconteceu, quem foi o autor do crime e onde o cometeu.

Mas dentro deste género existem dois tipos de séries: aquelas que se tratam apenas disso, dessa fórmula, mas não nos oferecem mais nada além disso; e aquelas que, além do que foi anteriormente mencionado, nos mostram algo especial, ”seu”, que as torna diferentes. Qual será o caso de Safe? Ora vamos descobrir.

Neste primeiro episódio, uma adolescente, Jenny, vai com uns amigos para uma festa. O dia seguinte nasce e ela ainda não regressou a casa, o que preocupa imenso o seu pai, já viúvo. Ele decide então ir a casa de vários amigos dela para ver se algum deles sabia onde ela ou o seu namorado (também desaparecido) se encontrava, mas a busca foi infrutífera, pois ninguém parecia saber do paradeiro deles. O senhor, cujo nome é Tom, acaba por conseguir que um dos rapazes que esteve na festa lhe forneça vários pormenores acerca da mesma e fica então a saber que a festa teve lugar em casa de Sia, uma rapariga com quem ele já tinha falado e que na altura lhe disse que já há algum tempo que não via Jenny. Tom volta a casa de Sia para a confrontar e ela confirma que sim, a sua filha esteve ali em casa na festa, mas acrescenta que só a viu no início da noite. Posteriormente, Tom recebe uma chamada do rapaz que lhe deu os detalhes acerca da festa e o mesmo diz-lhe que há algo que ele precisa de ver: um vídeo que fora posto no Facebook por uma rapariga que também tinha estado naquela festa, no qual se vê Jenny a entrar no carro de um homem que Tom reconhece imediatamente. O episódio termina ainda imerso em mistério.

É claro que, ao acabar desta forma, ficamos sempre curiosos por ver como tudo acaba e portanto existe a tentação de ver o próximo episódio, no qual esperamos encontrar mais respostas, mas, na minha opinião, trata-se apenas disso, ou seja, não senti a presença de algo que diferenciasse Safe das outras séries do seu género. Simplesmente não me cativou mais do que qualquer outro thriller. É, em certos aspectos, interessante, mas não me mostra algo distinto e que torne a série peculiar. Ao mesmo tempo tenho plena noção de que se trata de um episódio piloto e os episódios piloto são apenas os primeiros 41 minutos (neste caso) de uma série inteira, portanto não posso julgar Safe como série baseando-me apenas num episódio. Resta-nos esperar pelos próximos capítulos e ver até onde chega esta nova aposta da Netflix.

Beatriz Reis