Odiar um personagem de uma série é um processo complexo. Há aqueles que odiamos e que na maior parte das vezes nem sequer queremos ver à nossa frente, mas há outros que, apesar de também não gostarmos nada deles, dá gosto odiar e adoramos vê-los no ecrã, já que são essenciais às séries em questão. Muitos personagens odiáveis são vilões, de alguma forma, e é sabido que estes são capazes de exercer sobre nós um grande magnetismo. Aqui fica então a nossa escolha de dez personagens que adoramos odiar:

Cersei Lannister (Game of Thrones)

cersei_got

Cersei Lannister é uma das pessoas mais detestáveis do universo de Game of Thrones. Despreza um dos irmãos, é amante do outro. Foi a responsável por ter morto cerca de metade dos personagens (nem tanto, mas quase) no final da temporada passada e a única coisa a que alguma vez teve amor foi aos filhos. Agora que os três estão mortos, a última ínfima parte de humanidade que Cersei tinha morrerá também. Esta mulher tem todos os defeitos e mais alguns, mas Game of Thrones é muito mais fascinante quando ela está no ecrã, quer seja a destilar ódio, tratando mal quem a rodeia, quer a beber o seu adorado vinho. Além disso, as cenas mais memoráveis da série para mim serão sempre a da walk of shame e a da violação de Jaime a Cersei, junto ao corpo de Joffrey.

Fiona Goode (American Horror Story: Coven)

jessica lange de saida de ahs

Jessica Lange sempre foi uma parte muito importante de American Horror Story. Na 2.ª temporada teve um papel extraordinário que até poderia figurar também nesta lista, não fosse a evolução positiva da personagem. Em Coven, ela dá vida a Fiona Goode, uma anterior ‘suprema’ dos descendentes de Salem. Obcecada com a necessidade de manter uma aparência jovem, ela procura o segredo para a imortalidade, não se importando com o caminho a seguir para atingir os seus objetivos. É uma manipuladora nata que usa os outros a seu favor, mas pelo menos tem a vantagem de não tolerar racistas. A sua relação complicada com a filha, Cordelia, também não ajuda a traçar um bom lado de Fiona, mas Jessica Lange é brilhante em tudo o que faz e, por muito detestável que uma personagem sua seja, será sempre impossível não a querer ver no ecrã.

Jeri Hogarth (Jessica Jones)

Carrie-Anne Moss Iron Fist

Jeri não tem escrúpulos e não culpem a sua profissão como advogada por isso! A forma como lidou com o divórcio de Wendy serviu bem para traçar a sua personalidade, mas foi quando se tornou claro que estava disposta a ajudar Kilgrave para seu benefício que o pior de Hogarth veio ao de cima. Tem de haver algo de muito errado com alguém para estar disposta a arriscar a vida de muitas pessoas para resolver um problema pessoal. Não que tivesse sido uma surpresa, mas serviu para consagrar a personagem como vilã. Sim, porque vilões não são apenas aqueles que andam por aí a matar inocentes. Há algo de muito frio em Jeri e só Pam parecia ser capaz de exercer alguma espécie de influência nela, por isso é irónico que lhe tenha acabado virado as costas. Hogarth é o tipo de pessoa que merece estar sozinha! Espero que a personagem continue a ser uma importante parte da 2.ª temporada de Jessica Jones, porque todas as cenas em que entrou me mantiveram colada ao ecrã.

Veda Pierce (Mildred Pierce)

005

Muito antes da internacionalmente famosa Westworld, há seis anos, em Mildred Pierce, já era evidente que Evan Rachel Wood era uma atriz promissora. A sua interpretação de Veda Pierce deu a conhecer uma personagem difícil de se gostar, mas muito fascinante. Talentosa, mas muito mimada e egoísta, Veda nunca soube dar valor aos sacrifícios que a mãe, Mildred, fez para a criar e à irmã e trata-a com um desprezo absoluto, que em nada se justifica. Inclusive, envolveu-se com um companheiro da mãe. Não há realmente nada de positivo a dizer sobre a personagem, mas Evan interpreta a personagem com uma força tal que é impossível tirar os olhos de Veda e não querer ver mais sobre ela. Isso é um elogio e tanto, principalmente quando se contracena com Kate Winslet.

Victoria Grayson (Revenge)

Victoria-Grayson-1024x682

Uma pessoa tem a noção de que tem que ter dois parafusos a menos para adorar Victoria. Essa fui eu durante mais de metade da série. Enquanto adorei Victoria, odiei Emily. Depois a balança começou a pender para o lado contrário, à medida que o passado à volta de David Clarke se ia revelando. Passei muito tempo a achar que Victoria tinha sido uma espécie de vítima dos acontecimentos e de Conrad, embora nunca tenha achado que ela era uma santa. Longe disso! No entanto, Victoria até fazia gala do seu lado bitchy e eu apreciava isso, bem como a língua afiada e aquela poker face que ela conseguia manter, mesmo quando as coisas lhe corriam mal. E depois tinha pena dela porque, por muito que amasse os filhos, eles afastaram-se dela. Na última temporada, até um pouco antes disso, já eu tinha aprendido a não gostar da personagem, mas para mim as melhores partes de Revenge continuaram a ser sempre aquelas em que ela entrava. Também há que admirar o facto de ela ter sido sempre a única a perceber que havia qualquer coisa de errado com Emily e a única capaz de ‘dar luta’ à heroína’ da série. Cada herói precisa de um vilão à altura, não é verdade?

 

Skyler White (Breaking Bad)

Skyler é a mulher do protagonista de Breaking Bad, Walter White, e é capaz de ser uma das personagens mais irritantes que alguma vez foi criada, constantemente a implicar e a criar problemas com o marido, que tem cancro, e entra no mundo das drogas devido ao seu amor pela família. Provavelmente o ódio em relação a Skyler parte da admiração pelo marido. A maneira como trata o marido e o filho (que tem uma deficiência) mostra em grande parte o porquê de ser irritante. Apesar disto, Skyler não deixa de ser a motivação de Walter para fazer o que faz, e por isso sem ela não era possível Breaking Bad ser a excelente série que é. Quando aparece no ecrã, normalmente acaba por irritar Walter, levando-o a uma decisão mais enraivecida em relação a qualquer coisa no mundo das drogas.

Joffrey Lannister Baratheon (Game of Thrones)

Tal mãe, tal filho! Joffrey é o filho mais velho de Cersei e um dos personagens mais odiados no mundo das séries. Era um jovem mesquinho, sedento de poder e ciente da sua posição no mundo de Game of Thrones. Assim, exercia o seu controlo sobre todos os que podia, humilhando e maltratando quem se opunha a ele; sendo também responsável pela morte de uma das personagens mais adoradas da série. Demonstrava características de um psicopata e tinha prazer em torturar a sua jovem noiva, Sansa, inclusive obrigando-a a ver a cabeça decapitada do pai. Uma das cenas mais vistas de sempre foi quando o tio lhe deu uma chapada, sendo uma das poucas pessoas capazes de pô-lo no lugar. Embora muito odiado, as cenas em que Joffrey participa são das melhores que GoT tem, representando o quede mais cruel e vingativo existe.

Lori Grimes (The Walking Dead)

Lori é a mulher de Rick, o protagonista da série, e começa cedo a semear o ódio à sua personagem quando se descobre que não perde muito tempo a envolver-se com o melhor amigo de Rick, ao pensar que este estava morto, além disto é manipuladora, procura estar sempre perto dos lideres para sobreviver. Apesar de claramente gostar de Carl não a considero uma boa mãe. Usa o filho como desculpa quando lhe dá jeito e tem um gosto especial por causar pequenos dramas e, vamos ser honestos, no meio de um apocalipse zombie devia haver um maior pragmatismo! Para terminar, foi a culpada pelo modo como terminou a relação de Rick e Shane, tanto por dividir os dois, como por nunca se saber quem é o pai de Judith. No entanto, por muito complicada que seja Lori, a paixão de Rick por ela não tinha igual.

Travis Manawa (Fear the Walking Dead)

Travis é um dos protagonistas deste spin-off do mundo de The Walking Dead. Pai divorciado, vive com uma mulher que tem dois filhos de outro casamento e as duas famílias acabam por se misturar. A atitude de Travis – ou mais concretamente a falta dela – é um dos pontos que faz odiá-lo um pouco. Dividido entre o sangue e a sua família atual, acaba por não resolver os conflitos que surgem para não tomar um partido. Acima de tudo, passa a imagem de ser fraco, demasiado fraco, para ser protagonista de uma série de sobrevivência, não se conseguindo adaptar ao novo mundo em que vive. As cenas em que participa tornam-se previsíveis, longas e pouco interessantes. No entanto, Travis é um dos líderes do grupo e nenhuma das decisões importantes acontece sem passar por ele.

James Doakes (Dexter)

James é sargento na esquadra onde o nosso psicopata preferido trabalha como cientista forense e é o primeiro a perceber aquilo que Dexter realmente é. Perspicaz a ler as outras pessoas, a sua atitude face a Dexter, que é adorado, é bastante irritante. Primeiro porque viemos a descobrir que ele também é em um psicopata e que as coisas que fez no passado não são melhores dos que a que Dexter fez. Segundo, porque começa a segui-lo para todo o lado, dificultando o avanço da série. Por último, quando se apercebe que não consegue apanhar Dexter em flagrante, em vez de desistir ou manter apenas um certo nível de atenção, começa a tentar lixá-lo, jogando sujo, e a tentar incriminá-lo à força toda. Apesar de odiável, muito por causa do atraso que causa na história de Dexter, não deixa de ser uma personagem com o seu efeito cómico, com aquele olhar típico que quem viu a série bem conhece ou o uso de expressões típicas que viraram um sucesso na internet.

Diana Sampaio e Raul Araújo