Classificação

8.6
Interpretação
8.7
Argumento
8.5
Realização
8.2
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Enquanto houver um El em Krypton haverá esperança

Com um ritmo acelerado, mas não se esquecendo de lidar com os pormenores pelo caminho, com cenas de ação simples e eficazes e com revelações diretamente ligadas a Superman, Krypton consegue recuperar o fervor, ultrapassando a sua classificação no episódio “Civil Wars” e entregando um cativante penúltimo episódio.

Enquanto Kandor parece estar à beira do completo caos, Seg e companhia tentam convencer os Sagitari e os Black Zero a trabalharem juntos, de forma a derrotarem o inimigo comum que ameaça mais do que o modo de vida dos kryptonianos, ameaça mesmo a sua existência. No meio do desespero e num momento intímo entre Lyta e Seg, assistimos provavelmente ao que mais tarde descobrimos ser o nascimento de Dru-Zod!

Se Dru-Zod, aka General Zod, é filho de Lyta e Seg, isso quer dizer que Jor-El será então o segundo filho de Seg e irmão de Dru, tornando automaticamente Kal-El, aka Superman, sobrinho de General Zod. Woow, mind blown! Em meios anteriores são raras as menções aos pais do General Zod ou mesmo ao seu passado. No entanto, no romance The Last Days of Krypton, por Kevin J. Anderson, o General Zod é apresentado como o filho único de Cor-Zod, chefe do Conselho Kryptonian. Seja como for, a verdade é que Dru conseguiu apenas com o seu sangue ativar o selo de aprisionamento de Doomsday, que teoricamente necessita de sangue da casa El e sangue da casa Zod.

A traição de Lyta ao unir-se a Dru para libertarem Doomsday contra Brainiac afasta Lyta de Seg e aproxima Nyssa dele. Será que Nyssa-Vex se tornará mesmo a mãe de Jor-El e avó de Superman? A rebeldia de Lyta também nos entrega momentos de tensão entre a família Zod, quando Jayna se põe do lado de Seg e contra tanto o seu neto como a sua filha. O desafio de Dru para um duelo kandoriano com Jayna foi surpreendente, mas ainda mais inesperado foi a sua conclusão, com Lyta a quebrar o código de honra Zod e a disparar sobre a própria mãe. Apesar de muitas vezes a série falhar em situações de ação complexas e com várias personagens, já em combates de um para um, como no caso dos duelos kandorianos, é onde consegue brilhar mais e oferecer-nos emocionantes cenas de combates.

Neste enredo tivemos ainda a surpresa da decisão dos cythonnites libertarem Doomsday em Kandor e deixarem que Brainiac trate deles (fracos guardiões, estes!) Assim como… (pausa para suspense)… descobrimos que o irmão de Jayna afinal está vivo!

E se, no episódio passado, a cena de ataque à Sentry de Brainiac falhou em termos de realização, isso já não aconteceu nesta semana. Conseguimos perceber exatamente o que se estava a passar, com Seg a ser um líder não reconhecido das tropas, tanto dos Sagitari como de Black Zero contra Brainiac. Pudemos também perceber um pouco o porquê da Sentry estar no episódio anterior a retirar a energia da Genesis Chamber, já que a outra fonte de energia disponível implicava desligar a cúpula protetora de Kandor.

Os poderes de Brainiac são tão imensos que este realmente se assemelha a um Deus. Desde manipulação tecnológica, a possessão, replicação, força e velocidade sobre-humanas, imortalidade, regeneração, telepatia, telecinesia… basicamente é só escolher. Foi engraçada a forma como ele decidiu lidar com os exércitos que apareceram para o parar, escolhendo virá-los um contra o outro e exterminando a ameaça sem mexer um dedo. Igualmente interessante foi Nyssa-Vex ter acidentalmente descoberto uma das fraquezas de Bariniac, sobrecarga sensorial, que levou à sua destruição temporária.

Um ponto que também despertou algum interesse no episódio desta semana foi o da intriga entre Davon-Vex e Jax-Ur. Jax-Ur é uma personagem com um percurso interessante, pois a forma da sua adaptação tem variado bastante ao longo do tempo. Na série Smallville, por exemplo, aparece não Jax-Ur, mas Dax-Ur, que também este é um cientista e que foi o responsável pela criação de Brainiac; já no filme Man of Steel, Jax-Ur é um dos membros da nave de General Zod e também cientista chefe. Em Krypton ainda é incerto se podemos confiar nesta personagem, pois apesar de ter estado do lado de Val-El, a traição de Davon tornou-a demasiado amarga e sem respeito pelos danos colaterais. Davon-Vex, que pensava estar praticamente acabado, continuamente demonstra ter um dos maiores instintos de sobrevivência da série. Onde será que se foi despenhar?

Curiosidades dos Cristais de Krypton:

  • sabiam que os sinais kryptonianos que vemos ao longo da série são uma linguagem com um verdadeiro sentido? Nos anos 70,  E. Nelson Bridwell e o seu sucessor  Al Turniansky tentaram organizar os símbolos kryptonianos num alfabeto de 118 letras e graças a Darren Doyle, que começou em 2003 um projeto não oficial de língua kryptoniana, é possível hoje visitar o seu website e traduzir os símbolos de Krypton para inglês?

“Hope” sem dúvida que nos deixou com as emoções a fervilhar e impacientes para o grande season finale. Tanto está em jogo e tantas peças têm poder para mudar o rumo da história que é quase impossível saber como vai terminar. Poderá o título do último episódio da temporada ser uma pista para como os nossos protagonistas irão resolver os seus problemas? Não percam a conclusão da 1.ª temporada de Krypton em “The Phantom Zone”. Até lá, in Zod we trust!

Emanuel Candeias