Continuamos a dar a conhecer curiosidades sobre as tuas séries favoritas e, desta vez, decidimos partilhar algumas sobre Sherlock.

1. A série é baseada na obra do escritor britânico comummente referido como Sir Arthur Conan Doyle. Foi precisamente graças ao personagem Sherlock Holmes que alcançou grande fama, apesar de ter tido alguma dificuldade em arranjar uma editora para o seu primeiro livro, A Study in Scarlet (Um Estudo em Vermelho), que viria a ser publicado em 1887. A ele seguiram-se mais três romances: The Sign of the Four (O Signo dos Quatro), em 1890; The Hound of the Baskervilles (O Cão dos Baskervilles), em 1901; e The Valley of Fear (O Vale do Medo), no ano de 1915. Doyle escreveu ainda vários contos – que alternou com a publicação dos romances – sobre o personagem: The Adventures of Sherlock Holmes (1892); The Memoirs of Sherlock Holmes (1894); The Return of Sherlock Holmes (1905); His Last Bow (1917) e The Case-Book of Sherlock Holmes (1927).

2. Como preparação para o papel de Sherlock Holmes, Benedict Cumberbatch leu todas as obras de Conan Doyle.

3. Matt Smith fez audições para o papel de Dr. Watson antes de ter tentado a sua sorte no casting de Doctor Who, mas Steven Moffat, showrunner da série, pensou que ele seria mais adequado para interpretar Sherlock. No entanto, nessa altura, o papel já tinha sido atribuído a Cumberbatch.

benedict-cumberbatch_atonement

4. Benedict deve, em grande parte, o facto de ter conseguido o papel principal na série à sua participação noutro projeto. Steven Moffat e Mark Gatiss, produtor e argumentista de Sherlock, tinham-no visto em Atonement (Expiação), em 2007, e acharam que ele daria um Sherlock perfeito.

5. Cumberbath e Conan Doyle são parentes muitos distantes, primos num determinado grau, sendo ambos descendentes de João de Gante, filho de Eduardo III de Inglaterra, que viveu no século XIV.

6. Muitos dos elementos da equipa da série são parentes de alguma forma. Aliás, os pais de Sherlock são os próprios pais do ator, Wanda Ventham e Timothy Carlton; Martin Freeman (John Watson) e Amanda Abbington (Mary Morstan) foram um casal durante alguns anos; a produtora Sue Vertue e a coprodutora e argumentista Beryl Vertue são, respetivamente, esposa e sogra de Steven Moffat; e o filho de Moffat dá vida à versão de Sherlock em criança nalguns episódios. Para terminar, o marido de Mark Gatiss dá vida a um advogado no último episódio da 2.ª temporada.

7. A personagem Molly Hooper, interpretada por Louise Brealey, nunca fez parte dos livros de Conan Doyle e foi criada com o objetivo de aparecer apenas uma vez, como prova das limitações sociais de Sherlock, especialmente no que ao campo amoroso diz respeito. Contudo, Moffat e outros produtores da série gostaram imenso da performance da atriz, que acabou por entrar em vários outros episódios.

8. O livro de recordes do Guinness considerou Sherlock como sendo “o personagem do cinema mais interpretado”, a aparecer em cerca de 200 filmes, com mais de 70 atores diferentes a dar-lhe vida. A primeira vez que o personagem pôde ser visto foi na curta-metragem Sherlock Holmes Baffled. O detetive mais famoso do mundo teve também direito a aparecer em várias versões em língua estrangeira do personagem. No entanto, não foi apenas no cinema e na televisão que pudemos ver Sherlock Holmes. Foram criados três jogos de tabuleiro sobre o personagem, houve também tiras cómicas em jornais americanos, presenças em livros de banda desenhada e peças de teatro, referências em músicas, programas de rádio e vídeojogos.