Classificação

9
Interpretação
8.5
Argumento
9
Realização
9.5
Banda Sonora

Contém Spoilers!!

Anne é uma jovem rapariga que vivia num orfanato. Trata-se de uma criança com uma boca rápida a falar e com um vocabulário que deixaria qualquer escritor adulto invejoso. Tem uma imaginação muito fértil, na qual gosta mais de viver do que no mundo real.

O episódio começa por nos apresentar dois irmãos, Matthew e Marilla Cuthbert, ambos já idosos e sem família constituída. A precisarem de ajuda no rancho, na ilha de Prince Edward onde vivem, decidem adoptar em conjunto um rapaz órfão que os ajude. No entanto, um erro do destino (ou da senhora que tratou dos papéis), levou-os a receber Anne. Apesar do confronto inicial ter surpreendido Matthew, este rapidamente se afeiçoa a ela, ainda no caminho para casa.

No entanto, a irmã é mais difícil de convencer e após alguns protestos e alguma demonstração de inteligência de Anne, decide dar-lhe um tempo probatório de uma semana. Após este aviso recebem a visita de uma vizinha, que é descrita como tendo tanto apetite para mexericos como alguém que está esfomeado por comida, e a primeira coisa que faz ao ver Anne é insultar a sua aparência como se ela nem sequer ali estivesse. Esta responde-lhe na mesma moeda, fazendo referência ao seu peso, mas sempre com palavras caras e pouco usadas. Ao contrário do esperado, esta reação até agradou secretamente a Marilla, que não aprecia a vizinha. No entanto, no século XIX, a etiqueta social era ainda mais importante e obriga Anne a ir pedir desculpa. Esta mente tão bem e com tanta  convicção que impressiona Marilla, que decide levá-la a conhecer Diana, a única rapariga da zona com a sua idade.

Estas duas entendem-se como duas metades da mesma moeda, Diana a parte mais racional e formal e Anne a parte criativa, com uma imaginação que chega para duas pessoas. Trata-se de duas raparigas extremamente maduras para a sua idade. Quando tudo parece estar a correr de feição a Anne, ela mexe no broche de Marilla e quando esta não o consegue encontrar assume que foi roubado por Anne. Depois de a ver mentir tão bem não consegue acreditar numa única palavra e acaba por mandá-la embora. No entanto, no dia seguinte de manhã, encontra o broche na ranhura da cadeira e, arrependida, manda Matthew atrás de Anne, para a ir buscar.

Queria deixar um destaque para a banda sonora, mais concretamente para o violino que foi tocado durante a corrida de Matthew contra o comboio, que torna a cena muito mais intensa, de um modo sublime. Infelizmente este chega tarde de mais.

Vale a pena ver o episódio piloto. As paisagens são maravilhosamente belas e o enredo cativa o espectador sem este se dar conta. No início estava meio reticente, mas quando Matthew não chega a tempo fiquei genuinamente com pena e dei por mim a passar logo para o episódio seguinte. A Netflix tem esta capacidade de, em quase todas as suas séries, nos agarrar ao ecrã e esta não é exceção. O episódio é longo (1h30min), mas é uma experiência agradável. Não se deixem intimidar pelo tempo longo e experimentem. Quem viu, o que achou?

Raul Araújo